Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

21 Abril de 2011 | 18h18 - Actualizado em 21 Abril de 2011 | 18h17

Sonangol começa a operar em São Tomé e Príncipe em Maio

Combustíveis

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda – A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) tem todas as condições para começar a operar, em São Tomé e Príncipe, a partir de Maio próximo, disse hoje, em Luanda, o primeiro-ministro do arquipélago, Patrice Emery Trovoada.


Em declarações à imprensa no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, momentos antes de deixar Luanda, no termo da visita de 24 horas, Patrice Emery Trovoada adiantou que "nós pensamos que as parcerias e as novas estruturas jurídicas que envolvem a Sonangol estarão operacionais em princípios do próximo mês".


De acordo com o primeiro-ministro, a participação económica da Sonangol, no seu país, estende-se aos domínios da gestão de infra-estruturas portuárias e aeroportuárias, assim como ao sector aéreo.


Segundo Patrice Emery Trovoada, apesar de pequeno, o mercado são-tomense tem inúmeras vantagens comparativas evidentes a oferecer aos investidores angolanos.


"O mercado doméstico de São Tome e Príncipe é um mercado pequeno, mas o posicionamento da nossa ilha oferece oportunidades para os investidores e pensamos que a evolução económica de Angola hoje e futuramente, se presta a que investidores angolanos possam migrar para São Tomé", frisou.


Para o primeiro-ministro, além do clima de negócios do seu país ser positivo, as relações políticas são boas e, por conseguinte, as condições estão reunidas para que o sector privado angolano possa prosperar em São Tomé.


Patrice Trovoada deixou na tarde de hoje, quinta-feira, Luanda à frente de uma delegação que integrou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Manuel Salvador do Ramos, e o secretário-geral do Governo de São Tomé, António da Graça.