Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

21 Julho de 2011 | 20h30 - Actualizado em 21 Julho de 2011 | 20h30

Investimento directo confere estabilidade ao país

Seminário

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

  

Luanda - A ministra do Comércio, Idalina Valente , afirmou hoje, em Luanda, que o investimento directo estrangeiro pode, pelo seu carácter mais duradouro, conferir maior estabilidade ao país receptor do que outras formas de investimento e fluxos de capitais.

O investimento directo estrangeiro pode contribuir não só para o crescimento económico, mas também para o desenvolvimento de um país, disse Idalina Valente na cerimónia de encerramento do seminário sobre Políticas de prevenção de controvérsias.

"A transferências de tecnologia de conhecimento e de práticas de gestão contribuem para o desenvolvimento das empresas nacionais, criando condições para geração de emprego e aumento das exportações", referiu a governante.

Por outro lado, o formador Romúlo Brillo sublinhou o momento actual do país ser importante para a economia angolana, pois, depois da conquista da estabilidade, o Governo está a negociar e a celebrar tratados internacionais com parceiros económicos e está a reformar e a promulgar leis internas que versam sobre a regulação do investimento estrangeiro.

Referiu que o investimento estrangeiro é importante para a estratégia de desenvolvimento de qualquer país e fundamental para Angola no seu objectivo de diversificar a economia.

Por isso, disse, " tivemos oportunidade de estudar a importância desses investimentos e também a complexidade e os problemas que podem gerar, desenvolvemos técnicas de melhor governação e de prevenção de controvérsias para que o país possa desfrutar dos benefícios desses regimes internacionais e ao mesmo tempo poupar os seus recursos", sublinhou.

O perito em formação do projecto TrainForTrade Angola, Nuno Fortunato, referiu que o projecto vai continuar durante o ano de 2012, prevendo-se, nos próximos meses,   formações nas províncias do Huambo e de Benguela.

Informou estar previsto, em colaboração com o Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec) e com a Assembleia Nacional, a realização de um seminário sobre defesa do consumidor.

O programa TrainForTrade Angola é implementado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (CNUCED).

Assuntos Angola  

Leia também
  • 15/10/2018 18:03:31

    Angola: Potência energética chega a 4.409 MW

    Luanda - O sector eléctrico nacional está a poupar, desde 2017, um total de 669 mil litros de gasóleo/dia, com a entrada em operação de novas centrais hídricas. Isso permitiu ao país ter, actualmente, uma capacidade instalada de quatro mil e 409 Megawatts (MW).

  • 15/10/2018 14:38:11

    Défice fiscal pode chegar a 1 por cento em 2019

    Luanda - A economia angolana poderá registar, em 2019, um défice fiscal igual ou inferior a um por cento do PIB e um aumento das receitas fiscais na ordem de 9,8 por cento, projectou, nesta segunda-feira, o Presidente da República, João Lourenço.

  • 01/10/2018 13:37:22

    Integração regional de Angola levanta desafios

    Luanda - A integração de Angola nos blocos regionais coloca sérios desafios à economia nacional e à sociedade, com a permanente preocupação da especialização dos sectores, para que possam ser competitivos a nível regional e global.

  • 17/09/2018 15:59:45

    Angola e Emirados Árabes Unidos analisam cooperação

    Luanda - Os Emirados Árabes Unidos, através de suas petrolíferas Abu Dhabi National Oil (ADNOC) e Mubadala, poderão actuar em Angola nos domínios de petróleos, gás e agricultura, soube hoje a ANGOP, de fonte oficial.