Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

19 Maio de 2012 | 13h17 - Actualizado em 19 Maio de 2012 | 13h17

Feito em Angola vai gerar competitividade

AIA

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda – O Presidente da Associação Industrial de Angola, AIA, José Severino, afirmou sexta-feira, em Luanda, que o programa Feito em Angola constitui uma oportunidade soberana dos angolanos assumirem a responsabilidade de colocar os seus produtos com competitividade no mercado interno.

Em Angola todos têm de gostar do produto nacional, esta é uma referência que nós temos de dar ao consumidor. É a única forma de combater o desemprego, aumentarmos a nossa riqueza distribuída por todos, para que tenhamos uma sociedade melhor, disse José Severino no final da cerimónia de apresentação do programa Feito em Angola.

“Este é um objectivo que AIA já prosseguia e que o Executivo concretizou. Nós precisamos de ter algo que em qualquer parte do mundo quando se olha se diga, isto é feito em Angola” sublinhou.

De acordo com José Severino o lançamento da marca constitui uma oportunidade soberana de incentivo as empresas nacionais sobretudo as que já estão com marca de exportação. Para além do mercado interno que é extremamente importante, disse, a aia está a trabalhar com um grupo de empresas que neste momento já tem potencial de exportação.

“Vamos ver os nossos produtos no estrangeiro com representatividade, qualidade e com competitividade particularmente na zona de comércio livre, SADC.

Informou que a associação industrial trabalhou num projecto de certificação de, empresas, qualidade e gestão por excelência, e a zona de comércio livre, será o pontapé de saída para a exportação dos produtos angolanos.

Se tivermos produção nacional vamos ter mais salário e consumo, este é o desafio dos empresários angolanos.