Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Julho de 2016 | 16h09 - Actualizado em 23 Julho de 2016 | 16h02

Aplicação de medidas efectivas contra branqueamento de capitais atrai investimento

Luanda - A implementação de medidas efectivas para prevenção da prática de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo atraí investimentos ao país e facilita a captação de financiamentos estrangeiros, afirmou hoje, em Luanda, o subdirector do departamento de supervisão prudencial do Banco Nacional de Angola (BNA), Elavoko João.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Elavoko João - subDirector do Departamento de supervisão prudencial do BNA

Foto: Clemente dos Santos

Em declarações à imprensa, no seminário sobre prevenção ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, promovido pelo BNA, Elavoko João disse que a aplicação destas medidas permite que Angola esteja inserida num sistema de financiamento implementado com as melhores práticas, e pelo facto de viver num sistema globalizado, porquanto o país não pode estar isolado.

De acordo o responsável, este seminário é oportuno, porque ajuda Angola a tornar-se, cada vez mais, numa praça que aplica as boas práticas internacionais contra o branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo, dá garantia aos bancos em relação aos esforços que estão a ser feito através do sector bancário.

No mundo, segundo o subdirector, os crimes de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo passam pelo sistema financeiro e para o caso particular de Angola, o BNA, como órgão regulador está a desenvolver acções de sensibilização, chama atenção sobre esta prática criminosa, daí a importância de aplicação das melhores práticas e a aplicação de sanções aos comportamentos desviantes.

“Fruto do esforço do Banco Central e dos próprios bancos comerciais, hoje o mundo reconheceu que Angola fez um grande trabalho e se encontra fora destas práticas  criminosas, temos de consolidar está conquista e continuar a trabalhar, por isso é que o BNA continua com o trabalho de sensibilização e o acompanhamento permanente através de inspecções", disse.

 Elavoko João entende que uma das formas para combater o  branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo é munir os funcionários das instituições bancárias com formação específica sobre como identificar e se processa estas práticas.

O BNA, enquanto órgão regulador, tem o papel de prevenir ocorrências destes  crimes, razão pela qual tem exigido dos bancos comerciais a promoção de formação permanente acerca destas matérias a todos os níveis.

"Os planos do BNA têm surtido efeito, porque os bancos comerciais têm progredido na implementação dos requisitos de prevenção ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo", disse.


Alertou que se o sistema financeiro angolano for incapaz de implementar ou corrigir algumas deficiências que possa apresentar, haverá problemas a nível do relacionamento com os outros parceiros internacionais, porque o negócio bancário vive muito de reputação.

De acordo com o responsável, se o país não tiver regras sólidas a este nível acabará por ser prejudicado na sua relação financeira com o mundo e perderá a confiança do investidor, captação de investimento, por isso o BNA dá grande relevância a esta matéria como órgão regulador para não ser isolado.
 

“A Lei de Branqueamento de Capitais foi publicada em 2011, os avisos e regulamentos para dar corpo a está lei a partir de 2012,   é natural que ainda não haja aplicação integral dessas matérias, por ser nova,   "mas estamos próximos" reconheceu.

Este seminário insere-se num conjunto de acções que o BNA tem vindo a realizar, de modo a sensibilizar o mercado e os bancos comerciais acerca da importância da prevenção do crime de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo em Angola.


Participaram do seminário, os 27 bancos comerciais que operam no país, a Associação Angolana de Bancos (ABANC) e a Unidade de Informação Financeira (UIF).

 

Assuntos Banca  

Leia também
  • 05/02/2019 10:48:40

    Cuimba ganha primeira agência bancária

    Mbanza Kongo - A vila do Cuimba, situada a 62 quilómetros a Nordeste da cidade de Mbanza Kongo, conta, desde segunda-feira, com uma dependência do Banco de Poupança e Crédito (BPC), a primeira a abrir as portas naquela localidade, desde 1975.

  • 28/01/2019 18:03:02

    BNA baixa taxa de juro para 15,75%

    Luanda - O Banco Nacional de Angola (BNA) decidiu baixa a taxa básica de juro de 16,5 por cento, para 15,75 % decisão foi impulsionada pelo facto da inflação homóloga ter tido uma trajectória decrescente em 2018, bem como a contracção da Base Monetária de 10,71%.

  • 22/01/2019 17:35:50

    BPC retoma crédito salário antecipado

    Cuito - O Banco de Poupança e Credito (BPC) procedeu hoje, na cidade do Cuito, à reabertura na província do Bié do crédito salário antecipado.

  • 22/01/2019 12:17:54

    BPC assina protocolo de antecipação de salários

    Lubango - O Banco de Poupança e Crédito (BPC) assinou hoje, no Lubango, um protocolo com várias instituições públicas, para que os funcionários destes organismos possam beneficiar do serviço "BPC salário antecipado protocolado".