Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Janeiro de 2017 | 17h23 - Actualizado em 11 Janeiro de 2017 | 17h53

Angola: Aldeia Solar de Cabiri pode ser habitada nos próximos meses

Icolo e Bengo - O projecto habitacional designado Aldeia Solar, com 500 casas, localizada na comuna de Cabiri, município de Icolo e Bengo, em Luanda, vai receber os primeiros habitantes nos próximos meses, de acordo com uma orientação do governador, Higino Carneiro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Um ângulo da Aldeia Solar em Cabire (arquivo)

Foto: Lucas Neto

Para o efeito, foi criada uma comissão que vai fazer o levantamento do estado das residências e só depois poderão ser entregues aos primeiros moradores, num processo que deverá durar pelo menos 30 dias.

Essa medida do governador provincial de Luanda foi tomada após uma visita de constatação realizada hoje (quarta-feira) a Aldeia Solar, durante a qual Higino Carneiro esteve acompanhado dos ministros da Construção, Artur Andrade e da Agricultura, Marcos Nhunga.

Para coordenar a comissão de avaliação, Higino Carneiro indicou o administrador municipal de Icolo e Bengo, Adriano Mendes de Carvalho.

A Aldeia Solar foi inaugurada, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, a 19 de Fevereiro de 2014, para alojar a população que vive em situação de risco nos bairros de Kassanjo e Honga Zanga, na comuna de Cabiri.

A aldeia comporta várias infra-estruturas sociais, nomeadamente, um posto de saúde, uma escola do ensino primário e I ciclo, um campo de futebol onze e um Njango comunitário. Cada casa possui um lote de terreno para que os habitantes pratiquem agricultura e a criação de animais domésticos.

Em declarações à Angop, a administradora municipal adjunta para esfera Política, Social e das Comunidades, Margarida Pedro, visivelmente satisfeita, afirmou que as orientações baixadas pelo governador serão escrupulosamente cumpridas, porque a população da região já estava insatisfeita com a demora na entrega das habitações.

Segundo Margarida Pedro, muitas residências estão em degradação pela acção das chuvas, ventos e do sol. “Algumas estavam a ser vandalizadas por pessoas desconhecidas”.

A decisão foi bem recebida e a nós só resta arregaçar as mangas e trabalhar para materializar a orientação dentro dos prazos previstos, frisou.

Leia também
  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.

  • 01/02/2019 20:07:05

    Construção da barragem de Baynes estimada em USD 1,2 mil milhões

    Cacuso - A construção da barragem hidroeléctrica Binacional de Baynes, com início previsto para 2021, no rio Cunene, fronteira entre Angola e a Namíbia, está estimada em 1,2 mil milhões de dólares, avançou hoje (sexta-feira), em Malanje, o ministro angolano da Energia e Águas, João Baptista Borges.