Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

15 Novembro de 2017 | 17h58 - Actualizado em 15 Novembro de 2017 | 18h06

Ciclo combinado do Soyo recebe gás do Angola LNG

Soyo - A central eléctrica do ciclo combinado do Soyo, província do Zaire, inícia dia 20 deste mês, a recepção do gás natural do projecto Angola LNG, para garantir o seu funcionamento.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Zaire: Estação de tratamento e ajustamento de gás do Ciclo Combinado do Soyo

Foto: João F. Cuti

Zaire: Visita à central do ciclo combinado do Soyo

Foto: João F. Cuti

Zaire: António Rodrigues Belsa, secretário de estado da energia

Foto: João F. Cuti

A garantia foi dada hoje, na província do Zaire, por responsáveis da direcção da Sona-Gás, que apontaram a conclusão nos próximos dias dos gasodutos (linha de transporte de gás) da fábrica AngolaLNG para a central do ciclo combinado.

Para o secretário de Estado da Energia, António Fernandes Belsa, o  fornecimento de gás será uma grande valia para o funcionamento da central, devido à redução significativa do custo de produção de energia eléctrica para o sistema norte que é feito, actualmente, com base a turbinas a gasóleo, disse à imprensa no final da visita que efectuou ao projecto.

“O ciclo combinado do Soyo já dispõe de duas máquinas disponíveis que  funcionam com recurso a gasóleo. Queremos dentro de muito pouco tempo inverter este quadro, a julgar pelos custos elevadíssimos do combustível”, referiu.

Informou que duas outras máquinas estão já preparadas para entrar em funcionamento, aguardando apenas a conclusão das linhas de transporte de gás para se começar com os devidos ensaios. Enquanto isto, as duas últimas turbinas (são seis máquinas no total) previstas no projecto estão a ser montados no local, devendo os trabalhos serem concluídos até final deste ano.

Dados técnicos disponíveis indicam que este processo de produção de energia diminui a emissão de gases poluentes e promove a diversificação da matriz de geração eléctrica nacional, além de compensar a redução de energia produzida nas centrais hídricas, no período seco e garantir continuidade e fiabilidade do serviço.

Com uma potência total de 750 MW a instalar, dos quais 500 MW para o ciclo simples com turbinas a gás e mais 250 MW com turbinas a vapor (perfazendo o ciclo combinado), a central tem quatro turbinas a gás e alternadores de 125 MW, quatro caldeiras de recuperação de calor para geração de vapor, duas turbinas a vapor e um alternador de 125MW.
 

No ciclo combinado, os gases resultantes da combustão do gás atingem temperaturas superiores a 500 graus centígrados. Estes são aproveitados numa caldeira de recuperação de calor onde se produz vapor usado para accionar uma turbina a vapor.
 

Assuntos Energia   Província » Zaire  

Leia também
  • 15/11/2017 18:32:20

    Campanha "diversificar" sensibiliza mais de mil cidadãos

    Mbanza Kongo - Mil e 200 cidadãos residentes na cidade de Mbanza Kongo, província do Zaire, foram esclarecidos, nos últimos três dias, nesta localidade, sobre aspectos ligados a educação financeira, no âmbito da campanha "diversificar" levada a cabo pelo Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA).

  • 14/11/2017 17:50:45

    Falta de cimento inviabiliza obras em Mbanza Kongo

    Mbanza Kongo - A cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire, regista há mais de uma semana, uma gritante falta de cimento no circuito comercial, obrigando a paralisação de diversas obras de construção civil.

  • 14/11/2017 13:57:26

    Estrada Mbanza Kongo/Cuimba dificulta escoamento de produtos

    Mbanza Kongo - O mau estado do troço que separa o município do Cuimba da sede provincial (cerca de 62 quilómetros) está a dificultar o escoamento de produtos e a retardar o desenvolvimento socio-económico da região, segundo afirmaram à Angop alguns agentes económicos e camponeses da localidade.