Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

20 Abril de 2017 | 16h48 - Actualizado em 20 Abril de 2017 | 16h48

Cuanza Norte: Perímetro irrigado do Mucoso colhe 40 toneladas

Dondo- Pelo menos quarenta toneladas de produtos diversos são colhidas quinzenalmente, no perímetro irrigado do Mucoso, localizado na comuna de Massangano, município de Cambambe, (Cuanza Norte), após ter beneficiado de obras de reabilitação e modernização, num investimento do Executivo angolano, avaliado em mil e 300 milhões de Kwanzas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Cuanza Norte: Perímetro irrigado do Mucoso resgata produção agrícola

Foto: Diniz Simão

A informação foi prestada hoje à Angop, pelo responsável da área de produção do empreendimento agrícola, Feliciano Sandambongo, aclarando que as colheitas compostas por hortícolas e citrinos, marcam a fase inicial de exploração, resultante dos primeiros investimentos feitos pelos fazendeiros que beneficiaram de parcelas de terras, no referido perímetro.

Indicou que há três meses, o perímetro tem vindo a abastecer os mercados locais e de Luanda com produtos, como melancia, melão, tomate, pimenta, berinjela, entre outros.

Quanto aos citrinos e fruteiras, o responsável disse que, nesta fase, estão a ser ainda produzidas em quantidades reduzidas o limão, laranja, tangerina e manga, cujos indicadores estimula os investidores em aumentarem o cultivo destes e de outras culturas, com o objectivo de atingirem a produção de aproximadamente 100 toneladas de produtos diversos por semana.

Informou que perímetro irrigado do Mucoso é constituído por 500 hectares repartidos em 166 parcelas de três hectares/ cada, 20 das quais distribuídas em regime de concessão a igual número de fazendeiros, que desde finais de 2015 (após a reinauguração), desenvolvem actividades agrícolas, da qual resultaram na safra actual.

De acordo com a fonte, outros operadores que já requereram as suas parcelas, poderão dar início a exploração das mesmas, dentro dos próximos tempos, estando neste momento, a decorrer os trâmites administrativos, à luz das estratégias de gestão do perímetro, gizadas pela Sociedade de Gestão dos Perímetros Irrigados (Sopir).

O modelo de gestão, explicou, inclui o pagamento de um valor monetário, em montante não revelado por parcelas, podendo o interessado habilitar-se a um número indeterminado de parcelas, de acordo com a sua capacidade técnica e financeira.

O período de concessão varia de cinco anos para o cultivo de hortícolas a 20 anos para a produção de citrinos e frutas.

Feliciano Sandambongo mostrou-se esperançoso que após a distribuição completa das parcelas disponíveis, o perímetro irrigado do Mucoso poderá tornar-se num dos maiores centro de produção agrícola do país, a julgar pelos investimentos nele efectuados e a tecnologia instalada.

Oitenta e cinco postos de trabalhos directos foram criados ate aqui naquele empreendimento, ocupados, maioritariamente, por jovens das aldeias que circundam o projecto, número que poderá aumentar, com a distribuição de mais terras a outros interessados.

O perímetro está equipado com uma estação de captação de água, com uma capacidade de mil e 800 metros cúbicos/hora, duas estações intermédia (uma uma para as fruteiras e outra para as hortícolas), um entreposto frigorífico para armazenar 900 toneladas de produtos diversos e uma estufa com capacidade para 6 mil plantas diversas.

Possui ainda um bloco residencial com oito casas geminadas, para acolher os técnicos ligados à produção, áreas de serviço, uma lavandaria e chafarizes comunitários destinados a atender as necessidades dos cerca de dois mil populares que habitam na zona adjacente ao perímetro.

A infra-estrutura inclui igualmente a abertura de 22 quilómetros e 200 metros de estradas circundantes, que estão a facilitar o acesso ao interior do campo, para circulação de pessoas e máquinas.

A fazenda também conta com um posto de transformação de energia (PT) com capacidade para 250 KVA e um sistema alternativo constituído por três grupos geradores, sendo um de 700 Kva e dois de 50 Kva.


 

Leia também