Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

06 Outubro de 2017 | 18h30 - Actualizado em 06 Outubro de 2017 | 18h30

Angola: Sector agrícola pretende aumentar em grande escala produção de cereais

Luanda - O Ministério da Agricultura e Florestas pretende aumentar em grande escala a produção de milho, soja, arroz e feijão, a partir da presente campanha 2017/2018, que começa oficialmente no dia 10 deste mês, na província do Huambo, visando alavancar o sector agro-pecuário no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Cultivo de arroz na província do Huambo -Arquivo

Foto: Ango/Huambo

De acordo com o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), David Tunga, o cenário da produção agrícola, nos próximos dois anos, vai conhecer melhorias e alcançar resultados significativos, tendo em conta o baixo preço dos fertilizantes, o melhoramento das sementes e o aumento da disponibilidade de instrumentos de trabalho.

Sem avançar dados sobre os níveis de produção que se pretende alcançar na presente campanha agrícola, o responsável justificou que a melhoria desta produtividade assenta, essencialmente, na redução do custo de produção, assim como na facilidade que os produtores têm para aquisição de fertilizantes no mercado nacional, a disponibilidade de sementes melhoradas, a preparação mecanizada da terra, correcção dos solos e o aumento de meios de cultivos como charruas de tracção animal, enxadas, catanas, entre outros.

Com estes insumos agrícolas, afirmou, estão criadas as condições necessárias para alcançar níveis satisfatórios na produção de diversos bens alimentares, visando acelerar o processo de diversificação económica no país e a redução da importação.

Segundo o director, actualmente o país é auto suficiente na produção de algumas raízes e vários tubérculos como a batata-doce, mandioca e batata-rena.

A par disso, apesar de não satisfazer em tempo integral as necessidades do mercado nacional, David Tunga garantiu que grande parte de ovos consumidos em Angola é produzido nos aviários instalados em várias províncias do país.

"Actualmente, a possível importação de ovos serve apenas para corrigir, excecionalmente na quadra festiva, alguma distorção no mercado nacional, durante um período de tempo", explicou.

Para cobrir este défice, o gestor defendeu a necessidade de se produzir sementes melhoradas de milho e soja para aumentar a quantidade do consumo das famílias e a produção de ração suficiente para apoiar o subsector avícola.

O aumento da disponibilidade de sementes melhoradas de alto rendimento, aumento da oferta e a disponibilidade de adubos no país, a intensificação da produção e do uso de calcário dolomítico para a correcção de solos, promoção e intensificação do uso da tracção animal e de motocultivadores no sector familiar, com vista o aumento das áreas trabalhadas, assim como a intensificação da assistência técnica aos produtores constam das estratégias para o aumento da produção e da produtividade do sector agrícola.

Segundo dados da campanha agricola 2015/2016, o país tem uma disponibilidade de 35 milhões de hectares de terras aráveis para a prática da agricultura, sobre uma superfície cultivada de 5 milhões de hectares (14%), extensas áreas de pasto para a produção pecuária, faixa irrigável de sete milhões de hectares da sua área total, dos quais 3,4 milhões de exploração tradicional, bem como uma rede hidrográfica constituída por 47 bacias, com um potencial hídrico estimado em 140 mil milhões de metros cúbicos.

Quanto à cobertura florestal, o país possui 60 milhões de hectares de florestas (48% da superfície), representando uma vasta cadeia de exploração da flora e fauna nacional, segundo o primeiro Inventário Florestal Nacional, pós independência, do Ministério da Agricultura.

Assuntos Economia  

Leia também
  • 07/10/2017 07:15:38

    Angola: Maior montadora de motorizadas escapa à falência imposta pela crise

    Luanda - A Agir Huang, maior montadora de motorizadas do país, por força da crise dos últimos três anos, quase declarou falência, diminuiu pessoal, reduziu importações, mas manteve os salários e a sociedade constituída em 2006, com um investimento de USD 5,5 milhões.

  • 07/10/2017 05:45:36

    Angola: Promessa da AGT aos Grandes contribuintes - destaque da semana

    Luanda - A promessa feita pela Administração Geral Tributária (AGT) aos mais de 320 Grandes Contribuintes do país, segundo a qual estes merecerão um tratamento diferenciado e personalizado do Estado pelo facto de contribuírem para o OGE com 76 por cento da receita não petrolífera, constituiu um dos assuntos mais importantes do noticiário da semana.

  • 07/10/2017 00:02:13

    Angola: Defendida concessão de vistos de fronteira

    Luanda - A cedência de vistos de fronteira e maior celeridade na concessão deste documento para facilitar a captação de investimentos estrangeiro no país foi defendida esta sexta-feira, em Luanda, pela presidente executiva da Câmara de Comércio EUA/Angola (USACC), Maria da Cruz.

  • 06/10/2017 23:27:15

    Angola: Sector petrolífero permanece como factor catalisador do país

    Luanda - O sector petrolífero continua a ser um dos principais catalisadores do desenvolvimento socioeconómico do país, por representar mais de 70 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) angolano e constituir pilar estratégico para dinamizar o processo de diversificação da economia.