Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

06 Outubro de 2017 | 13h45 - Actualizado em 06 Outubro de 2017 | 17h08

Presidente da República dialoga com representantes de petrolíferas

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, recebeu em audiência conjunta, nesta sexta-feira, em Luanda, os representantes de empresas petrolíferas que operam em Angola, a pedido destes, com o propósito de abordar questões ligadas aos desafios e desenvolvimento do sector.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República, João Lourenço, recebe em audiência representantes de empresas petrolíferas

Foto: Francisco Miudo

Trata-se de representantes das empresas Sonangol, ENI-Angola, Total EP-Angola, Statoil, Esso, BP-Angola e Cabinda Gulf Oil Company.

Em declarações à imprensa, no final do encontro, o secretário para os assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa do Presidente da República, Luís Fernando, salientou que os representantes das empresas transmitiram ao Presidente da República a sua visão sobre o sector, em função dos actuais desafios da indústria e do mercado petrolífero.

“Foi uma ocasião aproveitada para as empresas petrolíferas partilharem com o Chefe de Estado as suas propostas e como trabalhar em conjunto para fazer face à panóplia dos desafios que se colocam à indústria do Petróleo no mundo”, realçou.

Segundo Luís Fernando, em conjunto procuraram encontrar soluções vantajosas para todos, disponibilizando o conhecimento que possuem, como resultado das suas operações em Angola e a nível internacional.

 “Os efeitos e resultados do que poderá ter sido estimulado por este encontro no Palácio Presidencial, a seu tempo serão gerados sob forma de orientações, ajustamentos, a bem da economia angolana e dos angolanos”, estimou.

Leia também