Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

02 Outubro de 2017 | 14h51 - Actualizado em 02 Outubro de 2017 | 14h51

Uíge: Administradora quer população do Quica organizada em associações

Uíge - A administradora municipal do Uíge, Catarina Pedro Domingos, pediu à população da aldeia do Quica, neste segunda-feira, para continuar a enquadrar - se em associações e cooperativas agrícolas, a fim de aumentar a produção agrícola.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Falando num encontro com a população daquela localidade, após a visita à associação dos jovens naturais de Quica, no quadro do ano agrícola 2017/2018, Catarina Pedro Domingos disse que a população bem organizada em associações e cooperativas tem a facilidade de obter crédito financeiro em qualquer banco, para o desenvolvimento das actividades do campo.

Catarina Pedro Domingos disse que a visita visou igualmente constatar tudo quanto a população produz para alimentação e a comercialização.

A administradora reconheceu igualmente a contribuição das autoridades locais em organizar 80 jovens em duas associações produtoras de mandioca, banana e café.

“Visitamos as duas associações e gostamos muito da produção dos jovens organizados em associações  e os seus produtos futuramente vai ajudar na dieta alimentar local e para a comercializações na província e em outros locais do país”, disse.

Frisou que essa produção agrícola visará igualmente ajudar igualmente o programa do governo de combater a fome e a pobreza.

Informou que a administração municipal vai continuar igualmente envidar esforços de encorajar a população, no alargamento de áreas de cultivo e diversificação de produtos o fomento da produção agrícola no município.

A responsável pediu aos pais para continuarem a apoiar os jovens associados em sementes agrícolas,  para que ganhem força de ampliar a sua produção.

Por sua vez,  o secretário da associação dos jovens naturais do Quica, Mário Samuel António, agradeceu a iniciativa da administração municipal do Uíge em planificar uma visita de constatação aos trabalhos do campo realizados pela população da povoação.

A associação dos jovens naturais do Quica tem uma extensão de quatro hectares, dos quais dois para  banana e de café e igual dimensão para mandioca e amendoim. 

O soba da aldeia Quica, Samuel Gonde pediu a reabilitação das estradas terciárias para facilitar o escoamento de produtos para as cidades, assim como viabilizar a livre circulação de pessoas e bens.

A aldeia do Quica dista a 15 quilómetros a norte da cidade do Uíge e possui uma população estimada em 738 habitantes, maioritaiamente camponesa.

 

Assuntos Economia   Província » Uíge  

Leia também
  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.