Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Fevereiro de 2018 | 19h22 - Actualizado em 14 Fevereiro de 2018 | 19h22

Lactiangol forçada a importar 90% do leite natural

Luanda - Apenas 20 dos 200 mil litros de leite natural comprados semanalmente pela empresa Lactiangol é adquirido em território nacional devido à baixa oferta desta matéria-prima no mercado interno, revelou o Presidente do Conselho de Administração da empresa, José César Macedo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Instalações da Lactiangol

Foto: Gaspar dos Santos

leite produzido pela Lactiangol

Foto: Gaspar dos Santos

A carência do leite natural no mercado interno, segundo o gestor, pode ser suprida com o aumento do número de unidades com vacas leiteiras assim como de criadores/produtores de vacas leiteiras.

Incentivando, o presidente da empresa pioneira na produção de lacticínios em Angola disse à ANGOP que o investimento em manadas de vacas produtoras de leite é rentável, “porque a vaca leiteira dá rendimento o ano todo ao criador e todos os dias dá leite e a fábrica compra-o diariamente.

Nesta altura, a unidade fabril da Lactiangol produz 300 mil litros de leite por semana, mas tem uma capacidade instalada para meio milhão de litros por semana.

A capacidade instalada actual é resultante de um investimento feito pela companhia, avaliado em 30 milhões de dólares norte-americanos em 2017. “Porém, a empresa perde porque está sem possibilidade de utilizar plenamente a capacidade.

A gestão enfrenta, também, nessa altura, umas das maiores dificuldades do momento do sector empresarial produtivo - a obtenção de divisas para adquirir matéria-prima e maquinarias.

Por outro lado, o empresário manifestou sua insatisfação pelo facto de o Governo não contemplar o sector de lacticínios no Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi).

Questionado sobre onde são adquiridas as embalagens dos seus produtos, José César Macedo informou que o material é vendido pela Tetra Pack, uma multinacional monopolista. Quanto gasta

Para a aquisição desse material importado a empresa gasta um quinto do valor do pacote de leite em embalagem, cerca de 20 porcento do valor do leite em embalagem.

A companhia dispõe uma variedade de produtos por si manufacturados e distribuídos, destacando-se o Leite Ultrapasteurizado UHT, achocolatado, iogurte Sólido natural e aromatizado, iogurte líquido, manteiga Pasteurizada, sumos e gelados

Comercializa também leite condensado, queijo Tipo Edam (Flamengo), bem como Sobremesas lácteas e água de nascente natural (Água da Chela).

Criada em Março de 1994, a Lactiangol tornou-se na principal unidade industrial de Lacticínios de Angola, sendo a líder no mercado nacional na sua área de actividade. Integra a estrutura accionista da empresa o Estado angolano, a Agropromotora (portuguesa), trabalhadores e uma quota de investidores privados nacionais.

Actualmente a empresa emprega 250 trabalhadores.

Assuntos Economia   Industrias  

Leia também
  • 12/02/2018 22:54:50

    Governo garante melhoria no ambiente de negócio

    Luanda - O governo angolano gizou programas específicos que estão a ser seguidos sectorialmente em domínios como energia, água, transportes e infra-estruturas para influenciar a melhoria do ambiente de negócios no ramo industrial do país, disse hoje a ministra da Indústria, Bernarda Martins.

  • 12/02/2018 22:13:21

    Estado retira-se da actividade empresarial

    Luanda - A actividade económica e produtiva fica reservada agora ao sector empresarial privado passando o Estado a limitar-se à promoção do crescimento da economia, declarou hoje o ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca.

  • 12/02/2018 21:56:10

    Mercado de divisas funciona debilmente

    Luanda - O mercado angolano de divisas sempre esteve em estruturação e funcionou com sérias debilidades, quer em períodos áureos da economia nacional, quer em momentos difíceis, afirmou hoje, em Luanda, o economista Gaspar Júnior.