Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

06 Dezembro de 2018 | 20h23 - Actualizado em 07 Dezembro de 2018 | 08h09

Trocas comerciais Angola-Itália chegam a USD 1.341 milhões

Luanda - As relações comerciais entre Angola e a Itália estão avaliadas em 1.341 milhões de dólares norte-americanos, actualmente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dos valores, 1.1 mil milhão correspondem às exportações de Angola para a Itália, maioritariamente em produtos petrolíferos, e 341 milhões às importações de Angola, baseadas em máquinas e equipamentos da Itália.

Esses dados foram fornecidos hoje à Angop pelo administrador da Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipex), Lello Francisco.

À margem de um fórum sobre” Agro-negócios  Angola-Itália”, o administrador disse que, desde últimos quatro meses da criação da Aipex , ainda não receberam propostas de investimento privado da Itália, mas há grupo italiano “Inalca”, já a operar em Angola.

A respeito do Grupo Inalca, explicou que estão ligados à distribuição alimentar, mas agora pretendem entrar no sector de produção e distribuição de bens alimentares.

Se dependesse da Aipex indicar os segmentos para investimento privado aos italianos, de acordo com Lello Francisco, direccionariam para segmentos onde (os italianos) têm vantagens competitivas e comparativas muito grandes, como produção alimentar, de frutas, têxteis e de calçados.

Entretanto, hoje, no fórum do Agro-negócios, as empresas italianas Canovar, Novafruit e Apofruit, manifestaram interesse em adquirir bens agrícolas de Angola, de que o mercado italiano tem necessidade. Tanto os que não produzem como aqueles que a sua produção seja sazonal.

O representante de Canovar , especializada na produção de frutas biológicas e investigação agronómica, Carlos Soto, disse que gostaria importar de Angola  furtos tropicais como Manga, abacate e ananás – pois não produzem.

De igual modo, Fabio Oliva, representante da Novafruit, referiu que estão abertos a realização de negócios com Angola no domínio agrícola.

A apofruit , representada por Romina Kamel, não fugiu à regra, manifestou-se congratulada com o evento e pretender estabelecer parcerias com empresários angolanos.

O fórum sobre Agro-negócios Angola-Itália foi promovido pela Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipex) em parceria com a Agência Italiana de Comércio (ITA). Participaram do evento, várias empresas angolanas e sete italianas ligadas ao sector agrícola.

Assuntos Agricultura   Economia  

Leia também
  • 06/02/2019 11:23:48

    Camponeses mais capacitados sobre práticas agrícolas

    Mbanza Kongo - Noções que se prendem com a aplicação de adubos, densidade de sementeira, compasso e tamanho das estacas de mandioca, obtenção, selecção e cultivo em curvas de níveis para a protecção dos solos foram transmitidas a 572 camponeses na província do Zaire, no decorrer da primeira fase da campanha agrícola 2018/2019.

  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 12:56:57

    Huíla: Caluquembe necessita de mais 50 técnicos agrícolas

    Caluquembe - O município de Caluquembe, a cerca de 193 quilómetros a norte do Lubango, província da Huíla, precisa de pelo menos 50 técnicos agrícolas para dar resposta às 225 associações e 50 cooperativas de camponeses nas comunas da Sede, Calepi e N'gola, que compreendem a circunscrição.