Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

16 Agosto de 2018 | 17h05 - Actualizado em 17 Agosto de 2018 | 11h39

Calandula carece de mais investimentos turísticos

Malanje - A administração municipal de Calandula pretende um investimento privado cada vez mais activo no domínio do turismo, precisamente em hotéis e similares, para desenvolver a circunscrição, manifestou hoje o administrador local, Pedro Dembué.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Esta pretensão, segundo o administrador, surge da necessidade de se aproveitar o potencial turístico da região, para criar empregos assim como  obter receitas fiscais por via do investimento privado.

Calandula, um dos municípios da província de Malanje, tem grandes atractivos hídricos, nomeadamente as Quedas de Calandula, de Mbango-anzenza e de Musseleje. A municipalidade foi elevada, em 2011, à categoria de Pólo de Desenvolvimento turístico.

Actualmente o município conta com apenas um hotel de quatro estrelas e um resort na sede municipal, um miradouro nas quedas de Calandula com vários quartos e restaurante e outros espaços, mas que compõem um número reduzido de dormitórios, para além de outras infra-estruturas de restauração, que ajudam na acomodação dos turistas.

 “Se um empresário investir nas quedas de Musseleje por exemplo, que é um espaço lindo para turismo, certamente o governo terá que se preocupar com a estrada, por isso aproveitamos convidar todos os interessados a investir neste município, porque temos as portas abertas e contamos com todos para o engrandecimento do município", disse o responsável.

Pedro Dembué informou que alguns trabalhos relacionados com o levantamento das áreas de atracção e aspectos culturais, sociais e económicos do município foram realizados para a elaboração do plano director do Pólo, paralisado devido a crise.

Situada a dois quilómetros da sede municipal, as Quedas de Calandula decorrentes do rio Lucala, possuem 105 metros de altura e 405 de largura, sendo a segunda maior de África, depois das Cataratas Victória a partir do rio Zambeze, na Zâmbia.

Calandula chega a ser uma das zonas turísticas mais frequentadas da província de Malanje e de referência nacional e internacional. Faz parte das sete maravilhas de Angola, com visitas semanais de 500 a 700 turistas nacionais e estrangeiros, sobretudo nos finais de semana.

Ex-Duque de Bragança, actualmente com uma população estimada em 72 mil habitantes, distribuídos pelas comunas do Cota, Cuale, Kinje e Cateco-cangola, numa extensão de sete mil e 37 quilómetros quadrados, Calandula foi elevada a categoria de Vila a 2 de Setembro de 1929, através da portaria Nº 449 publicado no boletim oficial da colónia de Angola.

A sua população é maioritariamente camponesa. Dedica-se à agricultura, caça, pesca continental e outras pequenas actividades económicas para a sua subsistência.

Leia também
  • 05/02/2019 12:26:06

    Troços Lucala/Cacuso e Malanje reabertos

    Malanje - Os troços rodoviários que ligam os municípios de Lucala/Cacuso e Cacuso/Malanje, numa extensão de 68 quilómetros cada, ao longo da estrada nacional 230, foram reabertos nesta segunda-feira.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.