Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

06 Setembro de 2018 | 16h32 - Actualizado em 06 Setembro de 2018 | 16h32

Songo produz primeiras mudas de banana bio-natural

Uíge - Setecentas plantinhas diversa de banana foram já produzidas no centro nacional de investigação da banana instalado há três meses no município do Songo, a 40 quilómetros a norte da cidade do Uíge, numa iniciativa privada.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Existem 20 incubadoras de multiplicação de mudas de bananal cuja fase inicial começou há 45 dias,  tendo já produzido 700 mudas que foram colocadas nas estufas de crescimento para posteriormente serem plantadas no projecto-piloto de 10 hectares em preparação.

Em declarações hoje à Angop, o promotor do projecto, o agrónomo Maniaki André Filis, de nacionalidade angolana, realçou que dentro de mais uma semana o centro vai reproduzir outras quantidades para se atingir duas mil mudas.

Como disse, o projecto foi concebido há cinco anos, mas só agora é que foi possível ser implementado, depois de receber “luz verde” das autoridades administrativas do município e dos proprietários da zona, onde o mesmo está a ser desenvolvido, num perímetro de 10 mil hactares de extensão.

Nesta fase piloto, enfatizou, estão a ser preparados dez hectares onde vai ser colocado também a horticultura para garantir a dieta alimentar dos trabalhadores e da população em geral.

Maniaki André disse igualmente que o projecto pretende criar 500 postos de trabalho de uma forma gradual,  enquanto 22 jovens já ganharam o seu primeiro emprego, dos quais duas licenciadas no curso de agronomia da Universidade Kimpa Vita, que estão a conciliar a teoria com a prática.

“Dentro de poucos dias vamos começar a recrutar o pessoal que vai trabalhar neste projecto”,  esclareceu, acrescentando que  posteriormente iniciar-se-a à formação de todos cada um na área onde vai inscrever-se. Esta formação terá a duração de seis meses. E só após a formação dos seleccionados serão inseridos e terão direito a salário”, observou.  

Fez saber ainda que serão formados trabalhadores nas áreas de plantação, irrigação, fitossanitário (identificação de doenças e pragas da banana), comunicação e marketing, comercialização, transformação e outros.

Realçou ser ainda sua intenção criar um espaço para colocar a reserva nacional de banana de todas variedades produzidas nas 18 províncias, especialmente aquelas em via de extinção.

Entretanto, sublinhou, o projecto prevê transformar a banana em outros derivados, logo que atingir a fase de produção, como iogurte, creme, bolachas, cerveja e tantos outros.

Assuntos Economia   Província » Uíge  

Leia também
  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.