Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Setembro de 2018 | 18h03 - Actualizado em 14 Setembro de 2018 | 18h03

Cabinda deixa de ter problemas de combustíveis

Luanda - As restrições no fornecimento de combustíveis à província de Cabinda serão definitivamente resolvidas com a recuperação de um navio avariado e a aquisição de uma monoboia pela Sonangol, disse hoje o director de operações da Sonangol Logística, Inocêncio Ganda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Monoboia é uma espécie de “terminal flutuante”, utilizado na amarração de navios-tanque para a operação de carregamento e descarregamento de petróleo e derivados.

A monoboia, que vai ser adquirida pela Sonangol nos próximos tempos,  ajudará  a atracação dos navios de combustíveis, uma vez que o terminal de descarga em Cabinda tem águas rasas e periga o acostamento das embarcações.
 

Segundo  Inocêncio Ganda, que falava  durante uma visita da direcção do Instituto Regulador de Derivados do Petróleo (IRDP), quando as águas estão rasas só um dos navios reúne condições técnicas para atracar, mas transportando apenas  60 porcento da sua capacidade.


 Cabinda é, habitualmente, abastecida por dois navios, duas vezes por semana, mas um dos quais está em reparação e só  dentro da próxima semana estará em serviço.
 

Além desses motivos apontados director de operações da Sonangol Logística, as calemas também têm sido obstáculos para abastecimento à província, mas são ultrapassáveis.
 

Nessa altura, a região tem capacidade suficiente para armazenar 24 mil metros cúbicos de combustíveis, pois foram construídos dois tanques de 12 metros cúbicos cada.
 

Na ocasião, o administrador para Área Comercial da Sonangol Logística, Dionísio da Rocha Júnior, explicou que já existiam projectos em curso para ultrapassar essa dificuldade de fornecimento a Cabinda, mas foram interrompidos pela gestão anterior.
 

O gestor acredita que já não haverá mais problemas em Cabinda, pois “já há uma luz fundo do túnel” para sanar a actual situação, apesar das dificuldades financeiras.
 

A Sonangol Logísitica tem uma capacidade de armazenamento flutuante ( no mar) de combustíveis de 335 mil metros cúbicos, correspondente a 48,3 por cento, e 358 mil e 511 mil metros cúbicos em terra (51,7%).
 

O IRDP visitou as principais instalações da Sonangola Lógística na província de Luanda, com destaque para os pontos de recepção dos produtos e armazenamento em terra e flutuante.

Assuntos Petróleos  

Leia também
  • 08/11/2018 15:09:55

    Reforma no sector dos petróleos reforça cooperação com Noruega

    Luanda - O ministro conselheiro da Embaixada da Noruega em Angola, Havard Hoksnes, elogoiu, quarta-feira, as reformas em curso no sector dos petróleos em Angola, uma iniciativa que reforça a cooperação entre os dois países neste domínio.

  • 08/11/2018 07:36:49

    Angola/Zâmbia: Oleoduto avaliado em cinco mil milhões de USD

    Luanda - Cerca de cinco mil milhões de dólares americanos é o montante previsto pelo governo zambiano, para a construção do oleoduto que poderá ser implementado entre Angola e a Zâmbia disse, na noite desta quarta-feira, em Luanda, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino Azevedo.

  • 05/11/2018 12:56:08

    Angola e Zâmbia assinam memorando no domínio de Petróleo e Gás

    Luanda - Os governos de Angola e Zâmbia assinaram hoje, em Lusaka, um memorando de entendimento no sector de petróleo e gás, documento que poderá abrir caminho para construção de um Pipeline (oleoduto), projecto proposto pela Zâmbia.

  • 04/11/2018 22:01:47

    Peritos de Angola e Zâmbia preparam reunião ministerial sobre petróleo e gás

    Lusaka - Especialistas angolanos e zambianos realizaram neste domingo, em Lusaka, um encontro a fim de preparar a reunião desta segunda-feira entre o ministro angolano dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, e seu homólogo zambiano da Energia, Matthew Nkhuwa.