Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Setembro de 2018 | 22h12 - Actualizado em 14 Setembro de 2018 | 22h12

Falta de políticas objectivas inviabiliza Parecerias Público-Privadas

Luanda - O processo de implementação e desenvolvimento das Parcerias Público-Privadas (PPP) em Angola tem tido pouco progresso, devido à ausência da regulamentação da Lei, inexistência de política ou linhas orientadoras claras e objectivas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Concorrem também para o fraco progresso das PPP no País, a falta de conhecimento especializado e capacidade institucional insuficiente em matérias de contratação de parcerias, segundo a directora do gabinete das Parcerias Público-Privadas do Ministério da Economia e Planeamento, Mara Almeida.

A responsável, que falava no seminário sobre PPP, organizado pelo Ministério da Economia e Planeamento apontou, entre nove projectos, o Aproveitamento Hidroeléctrico Chicapa (começou em 2007), Aproveitamento Hidroeléctrico Mabubas (2012) e o Aproveitamento Hidroeléctrico Lomaum (2015) como alguns exemplos das parcerias que correspondem com as exigências da Lei de implementação das parcerias entre o Estado e o sector privado.

Para melhorar a implementação das PPP em Angola, o Ministério da Economia e Planeamento convidou especialistas do Banco Mundial para passarem as suas experiências e darem algumas orientações para concretização das parcerias no País.

Em declarações à imprensa, o representante do Banco Mundial residente, Olivier Lambert, advogou a necessidade de se melhorar as condições para atracão do investimento privado, como a construção de infra-estruturas de energia e água, vias de acesso, criação de incentivos aos investidores e o acesso aos serviços públicos.

Para Olivier Lambert, as PPP constituem os instrumentos fundamentais que devem estar acompanhadas com as reformas que Angola está viver, visando a melhoria da vida da população.

Na ocasião, o ministro da Agricultura e Florestas, Marco Nhunga, referiu que o seu sector ainda regista fraca adesão de parcerias, porque os custos de produção são muito onerosos, por falta de infra-estruturas e indústrias locais para o apoio da actividade agrícola.

“Nós não temos condições criadas para alinhar às PPP que sejam vantajosas para o Governo, porque no País o custo de produção ainda é muito alto, por falta de infra-estruturas que facilitam a produção agrícola”, acrescentou.

O seminário dirigido aos ministros, secretários de Estado, vice-governadores e directores nacionais, visou capacitar os gestores na captação do investimento para alavancar a economia nacional.

Temas como “Processo de reforma geral e enquadramento das PPP”, “O são Parcerias Público-Privadas? Porque fazer PPP”, “Como alcançar uma PPP de sucesso?”, entre outros, dissertados por especialistas do Banco Mundial dominaram o seminário.

Assuntos Economia  

Leia também
  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.