Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Setembro de 2018 | 16h41 - Actualizado em 11 Setembro de 2018 | 16h41

MINEA aponta soluções para electrificação rural

Saurimo - A utilização de pequenos aproveitamentos hidroeléctricos, dos sistemas fotovoltaicos, eólicos e da biomassa florestal e residual são, entre outras, as soluções apresentadas hoje pelo Ministério da Energia e Águas (MINEA) para a electrificação rural do país, com recurso à parceria público-privada.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

LUNDA SUL: LUÍS FILIPE DA SILVA SECRETÁRIO DE ESTADO DAS ÁGUAS

Foto: Quintas Benjamin

Estas perspectivas foram apresentadas pelo secretário de Estado das Águas, Luís da Silva, na abertura do VIII Conselho Consultivo Alargado do Ministério da Energia e Águas, que decorre em Saurimo (Lunda Sul) sob o lema “ O nosso desafio é melhorar os serviços de fornecimento de energia e água”.

Sem avançar pormenores, assegurou que já foram dados alguns passos neste domínio, apelando os governos provinciais a preservarem o que já foi feito até ao momento nas suas circunscrições, para facilitar a continuidade dos projectos acima referenciados.

Por outro lado, Luís da Silva disse que apesar da crise em matéria de recursos financeiros, alguns projectos importantes foram implementados nos últimos anos, nos domínios da produção, transporte e distribuição de energia eléctrica, onde foram construídas e ampliadas várias infraestruturas, contribuindo para redução nas restrições, apesar de alguns constrangimentos ainda existentes.

Reconheceu que há necessidade de se envidar esforços para acelerar alguns projectos do sector energético em construção e dar início aos outros em carteira, visando o desenvolvimento do país e a redução das assimetrias.

O governante apelou a população no sentido de contribuírem na conservação dos equipamentos e a colaborar com os órgãos locais, denunciando os autores de actos de vandalismo.

Disse que a vandalização dos equipamentos do sector energético, como roubo de cabos eléctricos, placas de células fotovoltaicas, fogo posto em postos de transformação, para além dos prejuízos financeiros e técnicos, criam um sentimento de insegurança em várias localidades, porque ficam às escuras.

O Conselho Consultivo Alargado  vai analisar, entre outros assuntos, o plano director de desenvolvimento do sistema eléctrico 2018/2040 e a optimização de recursos e procedimentos para melhorar o fornecimento de energia e água na região leste de Angola e a interligação do sistema energético leste.

Estarão ainda em análise, no evento com a duração de dois dias, as estratégias dos governos provinciais para a expansão do abastecimento de água e distribuição de energia e o plano de acção para o quinquénio 2018/2022.

Leia também
  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.