Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

31 Outubro de 2018 | 17h35 - Actualizado em 01 Novembro de 2018 | 11h38

CFL sem rentabilização por falta de mercadoria para transportar

Luanda - A falta de indústrias e de desenvolvimento económico no corredor ferroviário Luanda/Cuanza Norte/Malanje impede o Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) de se tornar numa empresa rentável.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Comboio do CFL(arquivo)

Foto: António Escrivão

Segundo o presidente do conselho de administração do CFL, Júlio Bango, que falava na cerimónia de celebração do 130 º aniversário da empresa, para rentabilização da instituição seria importante fazer o transporte de mercadoria, de modo a dar autonomia financeira que cubra todas as suas actividades operacionais.

Júlio Bango Joaquim sugeriu a exploração das minas de ferro de Kassala Kitungo (Cuanza Norte) para o CFL fazer o transporte deste mineiro, para ajudar na sua rentabilização da empresa. “Mesmo com dez carregamentos diários seria possível caminho-de-ferro com autonomia financeira”, referiu.

“Quando foi reabilitado o Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, para transportar o mineiro da Jamba foi o próprio investimento das minas que pagou a reabilitação do ramal, locomotivas e vagões e pela facturação conseguiu reaver os investimentos, desta forma pode-se ver o retorno, mas apenas levar passageiros nunca foi algum negócio para rentabilizar nem a infra-estrutura e nem o material”, exemplificou o gestor.

Disse que no interior não existe indústrias de transformação de bens e de outros produtos ou até mesmo grandes concentrações de produção agro-pecuária para que o CFL faça o transporte dessa produção.

Lembrou ainda que a linha começa na parte marítima de Luanda (Porto) e não recebe nenhuma carga para ser levada em alguns pontos do seu corredor (Luanda/Cuanza Norte/Malanje).

O ramal ferroviário do CFL conta com cerca de 425 km de extensão.


 

Leia também
  • 05/02/2019 13:04:36

    Serviço de cabotagem em Cabinda arranca este ano

    Luanda - A província de Cabinda contará, a partir deste ano, com o serviço de cabotagem de passageiros e carga, disse nesta segunda-feira o ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida.

  • 31/01/2019 16:13:55

    Receitas da Unicargas crescem 27% em 2018

    Luanda - Quatro mil milhões, 616 milhões, 805 mil e 873 kwanza é o valor de receitas arrecadadas, de Janeiro a Novembro, pela Transportadora de Cargas, Operadora de Terminais e Transitário (Unicargas), um aumento de AKz 990 milhões, 81 mil e 369 em relação ao período homólogo de 2017.

  • 31/01/2019 11:10:30

    Município de Cacuaco perspectiva licenciar centenas de panificadoras

    Luanda - A direcção do comércio do município de Cacuaco perspectiva licenciar, a partir deste ano, aproximadamente mil panificadoras no âmbito do processo de transferência de competências do Ministério da Indústria para o Poder Local.

  • 25/01/2019 17:49:39

    Trabalhadores do CFL suspendem greve

    Luanda - Os 17 comboios do Caminho de Ferro de Luanda (CFL) voltam a circular com normalidade, a partir da próxima segunda-feira, como resultado da suspensão da greve geral iniciada a 14 de Janeiro. A suspensão deve vigorar até ao dia 31 de Março próximo.