Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Fevereiro de 2019 | 16h24 - Actualizado em 12 Fevereiro de 2019 | 08h15

Mintrans busca soluções para melhorar Lei das PPP

Luanda - O secretário de Estado para Aviação Civil, Marítima e Portuária, António da Cruz Lima, pediu hoje, em Luanda, aos representantes de empresas do sector, sugestões de soluções para a reformulação da actual lei de parcerias público-privadas em Angola.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

António da Cruz Lima, Secretário de Estado para Area Maritima e Portos

Foto: Francisco Miúdo

Ao discursar na abertura do workshop sobre “Parcerias Público-Privadas (PPP) para projectos de infra-estruturas e serviços de transporte”, o governante salientou que o objectivo é facilitar a mobilidade de pessoas e bens com uma lei ajustada à actual realidade.

Para o mesmo, as PPP obedecem um conjunto de requisitos, pressupostos e formalismos de tramitação previstos na Lei 2/11 de 14 de Janeiro, Lei das PPP, daí que este mecanismo não pode ser considerado uma solução mágica para a construção célere das infra-estruturas.

“(….) Conhecemos casos em que as PPPs foram bastantes onerosas e lesivas para o Estado angolano, que chegou a assumir a totalidade de muitos projectos” - recordou.

No continente africano têm sido implementadas PPP nos domínios dos transportes e energia, com destaque de sucesso para a empresa cabo-verdiana “Cabeólica” considerada uma das melhores parcerias público-privadas de África a sul do sahara, de acordo com o Banco Mundial (BM).

A propósito, António da Cruz Lima descreveu os projectos em curso de reabilitação e construção do troço Zenza /Cacuso, a gestão aeroportuária e construções de infra-estruturas adicionais do novo aeroporto de Luanda, em conformidade com o modelo de financiamento público-privado.

De igual modo, referiu-se aos programas de ligação do Caminho de Ferro de Benguela/Zâmbia, de exploração dos serviços nesta mesma linha, à rede de metro ligeiro de Luanda e a sua exploração, bem como à companhia de gestão e manutenção da rede ferroviária nacional.

Constam ainda destes projectos, a modernização e harmonização técnica dos caminhos-de-ferro, a expansão do terminal de contentores de Luanda, o aumento da capacidade de movimentação de passageiros deste terminal e o projecto de cabotagem nacional.

Entre os projectos para o sector dos transportes no país, segundo o interlocutor, realce também para a reabilitação, requalificação e apetrechamento das oficinas gerais das províncias do Huambo e Lubango, o novo aeroporto de Mbanza Congo e a ampliação do aeroporto do Huambo.

Na ocasião, o chefe da delegação da União Europeia (UE) em Angola, Tomás Ulicny, referiu que estas parcerias permitem construir infra-estruturas de grandes envergaduras e de longa duração, daí que desde os anos 90 mais de mil e 700 PPPs foram estabelecidas.

 “E isso resultou em gastos avaliados em 330 bilhões de euros. A título de exemplo, em 2016 um terço das Parcerias Púplico-Privadas foram para o sector dos transportes e que têm apresentado bom desempenho em termos de execução e de eficácia orçamental”, lembrou o embaixador.

A nível regional, disse, a UE financiou um projecto de 18 milhões de euros denominado “Programa de facilitação de trânsito e transporte” com o objectivo de desenvolver e implementar políticas, legislação e regulamentos harmonizados na região leste e sul de África, para melhorar a eficiência nas fronteiras terrestres.

Assuntos Lei  

Leia também
  • 09/02/2017 22:16:22

    Bié: Livro de reclamações nas empresas será obrigatório

    Cuito - As empresas públicas e privadas deverão, este mês (Fevereiro), usar livro de reclamações de forma obrigatório, com vista a facilitar as inspecções, bem como a salvaguarda dos direitos dos consumidores.

  • 09/02/2017 21:16:54

    Angola: Implementação dos direitos do consumidor longe do legislado

    Luanda - A implementação da Lei dos Direitos do Consumidor (LDC) em Angola, ainda está muito longe das metas almejadas, situação que exige maior lucidez do seu conteúdo no seio da população, considerou, hoje (quinta-feira), em Luanda, o professor universitário, Esteves Hilário.

  • 13/12/2016 17:25:10

    Angola: Parlamento aprova Lei de Florestas

    Luanda - A Assembleia Nacional (AN) aprovou nesta terça-feira, por consenso, a versão final da Proposta de Lei de Florestas e Fauna Selvagem, que visa garantir a conservação e o uso sustentável das zonas florestais e da fauna selvagem terrestre angolana.