Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Novembro de 2019 | 20h12 - Actualizado em 22 Novembro de 2019 | 19h51

Ambiente vai criar estações de tratamento de resíduos

Luanda - A ministra do Ambiente, Paula Francisco Coelho, anunciou hoje a construção de estações de tratamento de resíduos em localidades que reúnam condições para o empreendimento.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministra do Ambiente,Paula Francisca Coelho

Foto: Gaspar dos Santos

A iniciativa, segundo a ministra, está inscrita no Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020. A sua implementação dependerá de estudos que determinarão o tipo de projecto em função da natureza dos resíduos e o índice de população da localidade.

Paula Francisco que, falava à imprensa à margem uma com os deputados da Comissão de Economia e Finanças da Assembleia Nacional, no âmbito da apreciação, discussão e votação da proposta do OGE para 2020, disse que o custo dos projectos vai variar em função do tipo de produção, e dos estudos de viabilidade económica.

“Neste momento estão a ser desenvolvidos termos de referência para se uniformizar a aplicabilidade dos resíduos. Depois de terminar o estudo e diagnóstico da valorização do tipo de resíduos e as provinciais onde estão, será feita a sua implementação”, explicou a ministra.

A gestora disse que na separação de resíduos, entre plásticos, vidros e outros, vai se gerar emprego, obter matéria-prima e surgirão outras indústrias.

As estações de tratamento de resíduos são iniciativas que podem ser de natureza público-privadas.

Sobre as prioridades do Ministério do Ambiente para 2020, disse que vai continuar as campanhas de sensibilização e consciencialização, por ser a base para se desenvolver de qualquer projecto do sector.

Paula Coelho disse que não está satisfeita com a fatia atribuída, no OGE 2020, ao seu pelouro (um bilião, 834 mil milhões, 371 milhões e 574 mil). Disse que a insuficiência de verba vai impedir a execução de projectos de combate à caça furtiva, queima de árvores e de investigação.

Em relação às áreas de conservação, a ministra disse que estas estruturas poderão contribuir para a economia com a implantação de construções ecológicas de utilidade geral, dentro dos parques que poderão ajudar a economia.

“Se tivermos orçamento para a construção de refeitórios e restaurantes, iniciativas que ajudariam entidades e pessoas que visitas parques para verem os animais. Alguns trazem pequenas jangadas para navegar no rio tudo daria alguma contribuição financeira ao Estado”, disse a ministra.

Refinaria de Cabinda

Sobre esta matéria a , ministra disse que o estudo de impacto ambiental da refinaria de Cabinda está dependente de uma “emenda de Kigali”, que advém do protocolo de Viena. Esta emenda carece de uma aprovação da Assembleia Nacional e tem a ver com mecanismos da redução da poluição do ar.

Assuntos Economia  

Leia também
  • 22/11/2019 17:13:19

    Municípios têm AKz 25 milhões, mas não conseguem gastar

    Luanda - Os 164 municípios do país recebem, mensalmente, desde 2018, 25 milhões de Kwanzas para despesas, mas têm dificuldades de aceder ao dinheiro por falta de domínio das regras de gestão do Orçamento Geral do Estado (OGE), revelou hoje o secretário de Estado das Finanças e Tesouro, Osvaldo João.

  • 21/11/2019 20:31:09

    Experiência da ADRA sobre seca é aproveitada

    Luanda - A presidente da Comissão de Economia e Finanças da Assembleia Nacional, Ruth Pitra Neto, disse hoje que vai recomendar ao Executivo Angolano a proposta da ADRA sobre obtenção e reserva de água nas comunidades rurais, por ser boa e barata.

  • 21/11/2019 19:19:56

    Estrangeiros ganham USD 2,4 mil milhões ano

    Luanda - O peso cambial da força de trabalho estrangeira em Angola chega a 2,4 mil milhões de dólares norte-americanos por ano, revelou hoje à Angop o presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino.