Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

05 Dezembro de 2019 | 15h20 - Actualizado em 05 Dezembro de 2019 | 15h20

Dívida de clientes à EASL ultrapassa três mil milhões de kwanzas

Lobito - Três mil milhões, 576 milhões, 152 mil e 964 kwanzas é o valor global da dívida acumulada dos 35 mil e 269 clientes à Empresa de Águas e Saneamento do Lobito (EASL) até ao momento, revelou hoje, quinta-feira, o seu director comercial, Hermenegildo dos Santos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Estação de captação e tratamento de água

Foto: arquivo

Segundo apurou a Angop, 205 milhões de kwanzas deste montante refere-se a dívida das empresas públicas e instituições, enquanto o restante é a dívida dos clientes particulares.

Para recuperar a dívida, a EASL iniciou em Agosto deste ano um processo de recadastramento dos clientes em falta, no qual atribui um número às casas para constar da ficha individual dos consumidores registados no seu sistema informático.

“Neste momento, já está concluído o recadastramento de casas dos bairros da Restinga, Zona Comercial, bairro da Luz e o município da Catumbela”, explicou o director.

Como benefício desse processo, a empresa arrecadou em cobranças, no mês de Outubro deste ano, 164.873.896 kwanzas, valor mais alto nos últimos tempos, se comparado com os akz 115.668.812 do mesmo período de 2018, segundo Hermenegildo dos Santos.

Questionado sobre a facturação por estimativa, muito polémica em alguns círculos, o director esclareceu que esta cobrança é feita para os clientes que não levam a leitura do contador à empresa por falta deste equipamento.

Nestes casos, a empresa cobra um valor fixo, independentemente do consumo, e este varia em cada zona. Há uns que são cobrados 10 metros cúbicos, outros 20 e assim por diante, mas com a mesma tarifa.

“A empresa perde muito com a cobrança por estimativa (sem especificar), por isso está a envidar esforços no sentido de adquirir contadores suficientes para acabar com esta prática”, desabafou o director.

Quanto ao número de consumidores registados, disse que a EASL controla 35 mil e 269 clientes activos e 11 mil bloqueados, referindo-se àqueles que não beneficiam de água corrente pelo facto da empresa não ter capacidade de colocar o líquido em suas casas, por isso não são cobrados.

Ainda sobre esta temática, deu a conhecer que existem três tipos de clientes. Há os domésticos, que na sua maioria encontram-se em zonas mais desfavorecidas, pagando 117 kwanzas por metro cúbico e  outros que pagam entre 179 a 216 kwanzas, respectivamente.

O comércio e serviços pagam  237 akz, a indústria 249, as girafas (água avulsa) 213 e os fontenários com 105 kwanzas por metro cúbico.

O director deu a conhecer que “este tarifário, criado sob o decreto executivo 230/18 é especificamente aplicado para a província de Benguela”.

Em relação a possibilidade de abastecimento de água a toda a cidade do Lobito, foi peremptório em afirmar que o equipamento disponível não é compatível com o nível de crescimento da cidade, principalmente na parte alta.

“O último projecto de investimento foi em 2012 e desde aí nunca mais houve nenhum outro de grande envergadura e em contrapartida, o município cresceu substancialmente”, lamentou.

Para minimizar esta situação, a empresa tem utilizado o chamado plano de gestão de água por manobra, que consiste no abastecimento por zonas durante seis horas, mas mesmo assim insuficiente em casas que estão numa elevação de cerca de 400 metros, segundo o gestor da EASL.

Afirmou que a empresa necessita de novos equipamentos para a produção e distribuição de água, o que passa pela aquisição de novas bombas, condutas, geradores para as Estações de Tratamento, entre outros.

Referindo-se aos constantes corte, afirmou que a EASL pretende aproximar-se dos clientes na base do diálogo e só aqueles que não aparecem e não pagam dentro do prazo estabelecido é que são penalizados.

“O cliente tem a possibilidade de negociar com a empresa pagando 50 por cento da dívida e o resto amortizar até cerca de três meses”. Explicou.

A Empresa de Água e Saneamento do Lobito, criada por decreto executivo conjunto número 405/13, cobre 4 municípios da província de Benguela, nomeadamente Lobito, Catumbela, Bocoio e Balombo.

Leia também
  • 05/12/2019 14:53:06

    Produtores de sal necessitam de usd 6,5 milhões para triplicar produção

    Benguela - O presidente da Associação dos Produtores e Transformadores de Sal (Aprosal), Odílio Silva, afirmou hoje, quinta-feira, nesta cidade, que, caso o governo viabilizasse um crédito de usd 500 mil para cada um dos 13 produtores de sal em Angola, haveria capacidade técnica para se triplicar as actuais 130 mil toneladas de produção anual.

  • 04/12/2019 18:47:50

    Poluição do mar reduz níveis de captura

    Benguela - A ministra das Pescas e do Mar, Maria Antonieta Baptista, afirmou hoje, quarta-feira, nesta cidade, que os altos índices de poluição do mar e os impactos das mudanças climáticas estão a contribuir para a redução dos níveis de captura e da qualidade do pescado nas últimas décadas.

  • 03/12/2019 12:58:45

    Sector das Pescas analisa inclusão do pescado na merenda escolar

    Benguela - A estratégia de inclusão do pescado na merenda escolar e o limite de embarcações para pesca artesanal por províncias são dois temas que dominam hoje os trabalhos do II Conselho Técnico- Científico das Pescas, aberto nesta terça-feira, pela titular do sector, Antonieta Baptista.