Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

28 Março de 2019 | 20h19 - Actualizado em 28 Março de 2019 | 20h19

CFOs estão confiantes em relação ao futuro das empresas

Luanda - Cinquenta e um por cento dos CFO - Chief Financial Officer (director financeiro) em Angola está optimista em relação aos resultados financeiros das suas empresas, sentimento que antecipa melhorias no ambiente de negócios.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Na projecção do próximo triénio (até 2021), a previsão é ainda mais positiva, com 93% dos inquiridos a acreditar que a performance financeira do País vai melhorar, revela a 3ª edição do estudo “CFO Survey Angola” da Deloitte, publicado hoje.

O acesso a divisas, a volatilidade cambial e os efeitos da implementação do IVA estão entre as principais preocupações económicas dos CFOs, enquanto a melhoria das operações actuais, o pagamento das dívidas e a retenção para efeitos de liquidez são apontadas como as suas principais prioridades na gestão dos fluxos de caixa.

“A crescente confiança dos CFOs relaciona-se com uma melhoria na percepção do ambiente político e com a implementação das medidas de estabilização económica em curso, que resulta numa maior segurança dos inquiridos a nível económico” afirma Luís Alves, sócio da Deloitte Angola.

“Foi neste cenário macroeconómico de crescente optimismo que os CFOs foram desafiados a partilhar a sua visão sobre o custo do financiamento, os factores de risco, as prioridades para a gestão dos fluxos de caixa, as estratégias de negócio e os desafios de indústria.”

Reinvestir na própria empresa continua a ser uma prioridade

De acordo com o estudo, os CFOs acreditam que o incremento da eficiência operacional e a redução de custos são críticos para o negócio. Entre as estratégias mais seguidas actualmente pelos inquiridos encontram-se: a redução de custos operacionais (73%), o aumento da eficiência operacional e optimização de processos (71%) e a consolidação de operações (67%).

Os CFOs identificaram também estratégias como o investimento em Investigação e Desenvolvimento (I&D) ou o investimento em Smart Technology como sendo prioridades para o futuro.

Quando questionados sobre as prioridades que têm em conta para as projecções dos fluxos de caixa, a maioria dos CFOs (62%) acredita que se devem melhorar as operações actuais, 49% que se deve proceder ao pagamento das dívidas, 47% que se deve investir em CAPEX e 44% que deve ser feita retenção de capitais para efeitos de liquidez.

“É de salientar que os interesses dos CFOs apontam para a reutilização dos fundos/ rendimentos na própria empresa, através de medidas como o investimento em bens de capital, melhoria de operações, investigação e desenvolvimento. Este indicador demonstra que os inquiridos estão confiantes no potencial das empresas em que operam” refere o sócio da Deloitte Angola.

Líderes preocupados com factores internos e externos 

Entre as principais preocupações económicas dos CFOs encontram-se o acesso a divisas para o pagamento de responsabilidades no exterior do país (80%), a volatilidade cambial (76%) e os efeitos da implementação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), em Julho deste ano (49%).

No entanto, as preocupações dos CFOs não se centram apenas na envolvente externa. Na opinião dos inquiridos também existem factores internos que criam obstáculos ao bom funcionamento das empresas. Grande parte dos CFOs (64%) refere a necessidade de encontrar e reter talento como uma preocupação central.

A insuficiência de competências do staff de apoio é identificada em segundo lugar (53%), um factor que já havia sido identificado como crítico nas duas edições anteriores.

“Nesta edição foram introduzidas novas questões relacionadas com a implementação do IVA e com a contratação de recursos humanos. Quase metade dos CFOs inquiridos identifica a implementação do IVA como uma preocupação iminente, ao mesmo tempo que identificam a falta de conhecimentos adequados e a capacidade de resolução de problemas como os principais constrangimentos à contratação e gestão de recursos humanos” indica o sócio da Deloitte.

Baixas taxas de juro e elevados custos de financiamento

De forma geral, mais de 90% dos CFOs concordam que a taxa de inflação se irá manter equiparável ao ano de 2018, podendo situar-se entre os 10 e os 20%. À semelhança dos anos anteriores, muitos CFOs (47%) têm a expectativa da descida de taxas de juro até ao final de 2021. No entanto, a maioria (51%) acredita que estas se vão manter em 2019.

A generalidade dos inquiridos considera que os custos associados ao pedido de novos financiamentos ou à disponibilização de capitais são elevados ou mesmo muito caros (96%). No que toca à facilidade de obtenção de crédito, 73% dos CFOs indicam que é um processo difícil, apenas 9% consideram que é fácil e os restantes 16% classificam-na como neutra.

“A desvalorização do Kwanza continuará a ser um factor influenciador nos negócios em 2019, sendo que 62% dos entrevistados acredita que o Kwanza poderá ainda sofrer uma desvalorização igual ou superior a 15%” explica Luís Alves, sócio da Deloitte Angola.

Assuntos Economia  

Leia também
  • 28/03/2019 19:42:22

    Angola retrocede no acesso à telefonia móvel

    Luanda - O número de usuários de telemóvel em Angola reduziu de 14 milhões, em 2014, para 13 milhões em 2016, período em que se registou maior declínio no acesso à telefonia móvel, informou hoje o administrador executivo do Instituto Angolano das Comunicações (Inacom), António Moniz Gonçalves.

  • 28/03/2019 14:06:50

    Angola assume presidência de centros regionais do FMI

    Luanda - Angola assumiu esta quarta-feira a presidência rotativa do Comité de Pilotagem dos Centros Regionais de Formação e Assistência Técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI).

  • 27/03/2019 18:24:03

    Benguela vai ter Guiché Único da Empresa este ano

    Luanda - O secretário de Estado da Justiça, Orlando Fernando, anunciou hoje que a província de Benguela vai ter, ainda este ano, os serviços do Guiché Único da Empresa (GUE),