Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

16 Maio de 2019 | 14h57 - Actualizado em 16 Maio de 2019 | 14h52

IDA projecta criação de brigadas de mecanização

Dondo - O Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) tem priorizado para o presente ano, o reforço dos investimentos nas acções de criação de brigadas de mecanização agrícola em todo país, visando o aumento dos níveis de produção e maior apoio às famílias camponesas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A informação foi prestada hoje, quinta-feira à Angop, no Dondo, pelo director-geral adjunto do IDA, José Luís Fernandes, esclarecendo que o Ministério da Agricultura está a ensaiar os critérios da criação das referidas brigadas de mecanização à luz de um processo de privatização que deverá abarcar a gestão dos equipamentos e prestação de serviços de empreitada agrícola aos camponeses, com base na aplicação de uma tarifa a ser aprovada pelo Executivo.

Por via deste modelo de assistência, os camponeses poderão beneficiar de subsídio para a aquisição dos combustíveis, enquanto os pequenos, médios e grandes produtores terão um tratamento segundo a capacidade de investimento individual.

Indicou que as províncias do Bié, Huambo e Malanje como tendo beneficiado já da criação das referidas brigadas cujos resultados são animadores, daí a intenção do IDA em expandir o modelo em todo o país, tendo em vista o aumento de um para 2.5 hectares por família.

Referiu que estas famílias camponesas continuam a desenvolver a sua actividade agrícola com base em práticas manuais e técnicas rudimentares, realidade que tem se revelado incompatível com a necessidades da cadeia produtiva do país, sendo por isso necessário potenciar os municípios com maquinarias para apoiar os camponeses.

Assegurou que o IDA tem também em carteira a reabilitação e apetrechamento das 136 Estações de Desenvolvimento Agrário (EDA) existentes em igual número de municípios, visando melhorar a actividade dos profissionais encarregues da prestação da assistência técnica aos camponeses à luz da introdução de novas experiências de produção.

Em relação ao aproveitamento do excedente da produção, José Luís disse que o Ministério da Agricultura está a trabalhar com os Ministério da Indústria e do Comércio para a definição de políticas conjuntas que visam atenuar as eventuais perdas resultantes da falta de mercado para o comércio da produção.

O responsável disse ainda que, a  par das brigadas de mecanização serão igualmente criadas caixas comunitárias, que constitui um mecanismo de gestão que vai permitir aos camponeses organizados obterem poupanças financeiras para o suporte das suas actividades produtivas.

Sem precisar a colheita da primeira época agrícola do presente ano, referiu apenas que o IDA controla actualmente em todo país, um universo de cinco milhões de camponeses, dos quais dois milhões e 500 mil esiveram envolvidos na primeira fase da campanha agrícola 2018/2019.
 

Leia também
  • 15/05/2019 20:16:35

    Indice de Preços no Consumidor baixa em Abril de 2019

    Luanda - O Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN) registou uma baixa de 1,22 por cento, em Abril de 2018, para 1,05 por cento a igual período de 2019.

  • 15/05/2019 19:35:51

    BM disponibiliza mil milhões de dólares em projectos sustentáveis

    Luanda - O Banco Mundial (BM) vai disponibilizar mil milhões, durante seis anos, para desenvolver vários projectos em Angola, com destaque para a formação de capital humano, informou hoje, em Luanda, o representante em Angola e São Tomé e Príncipe, Olivier Lambert.

  • 15/05/2019 19:15:58

    AGT encoraja denúncia de má postura dos seus funcionários

    Ondjiva - O director da Sexta Região Tributária da Administração Geral Tributária, Milton da Costa, exortou hoje, quarta-feira, em Ondjiva, os agentes económicos a denunciarem as más práticas dos funcionários do sector no exercício das suas actividades.