Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

20 Junho de 2019 | 19h05 - Actualizado em 20 Junho de 2019 | 19h27

Luanda entre as maiores cidades do mundo até 2030

Luanda - Luanda poderá ser, nos próximos 11 anos, uma das 41 maiores cidades do mundo, indicou o consultor para Inovação e Tecnologia da empresa Laminin, Wanderley Ribeiro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ao dissertar o tema “ O Caminho para as Cidades Inteligentes”, no último dia da 10.ª edição do Fórum de Exposição Global e Feira das Tecnologias de Informação e Comunicação (Angotic 2019), o consultor referiu que, com base nas projecções, até 2030, Luanda estará entre as seis maiores cidades de África.

Ainda sobre o mesmo tema, a ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho, fez também uma dissertação e considerou que Luanda tem vários desafios para ser Cidade Inteligente (CI), que vão do crescimento acelerado da população e da urbe em si, saneamento interno, abastecimento de água potável e energia à mobilidade urbana.

Apesar disso, indicou que o Executivo angolano tem várias iniciativas para dar respostas aos desafios, como a criação de leis que simplificam o acesso à terra, facilidade na constituição de empresas, obtenção documentos pessoais via internet, com acesso ao portal “ SEPE.gov.ao.

Ao apresentar apenas uma amostra da cidade de Luanda, a ministra realçou que, para se conseguir uma cidade inteligente, é necessário que se faça uma gestão partilhada, planeamento e redefinição do que já existe, assim como o envolvimento do sector privado.

Na ocasião, a governante falou do surgimento das “start up” (empresas emergentes), que têm iniciativas empresariais ligadas aos transportes e outros ramos, assim como dos serviços do SIAC que ajudam e têm facilitado a mobilidade dos cidadãos na aquisição de documentos pessoais.

Ana Paula de Carvalho salientou que o último fim de uma cidade inteligente é a melhoria da qualidade de vida do cidadão, que se consubstancia na proximidade dos serviços e bens e na eliminação de obstáculos.

A Feira foi aberta na terça-feira e conta com mais de 800 expositores nacionais es estrangeiros.

Conceito de cidades inteligentes

O conceito de Cidades Inteligentes (ou Smart Cities, sigla inglesa), é definido como o uso da tecnologia para melhorar as infra-estruturas urbanas e tornar os centros urbanos mais eficientes e melhores de se viver.

O principal objetivo é criar condições de sustentabilidade, melhoria das condições de vida das populações e fomentar a criação de uma economia criativa pela gestão baseada em análise de dados.

A ideia ganhou força nos últimos anos e foi impulsionada pela construção de cidades (inteligentes como Songdo), na Coreia do Sul, e Masdar, no Dubai.

Cidades inteligentes (CI) são projectos nos quais um determinado espaço urbano é palco de experiências de uso intensivo de tecnologias de comunicação e informações sensíveis ao contexto (IoT), de gestão urbana e acção social dirigidos por dados (Data-Driven Urbanism).

Leia também
  • 20/06/2019 21:19:08

    Angola assina memorandos no domínio das TIC's com Rwanda e Suécia

    Luanda - O Governo de Angola assinou hoje (quarta-feira) dois Memorandos de Entendimento para o reforço da cooperação no domínio das Telecomunicações e Tecnologias de Informação com o Rwanda e o Reino da Suécia.

  • 20/06/2019 17:33:07

    Cidades inteligentes devem estender-se à zona rural

    Luanda - A ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paulo de Carvalho, defendeu nesta quinta-feira, em Luanda, que o conceito de cidades inteligentes deve ser estendido às zonas rurais, para facilitar o desenvolvimento destas áreas e garantir o bem-estar social.

  • 20/06/2019 12:20:59

    Data Center garante soberania dos dados nacionais

    Luanda - O presidente da comissão executiva da ITA, Rolf Mendelsohn, defendeu hoje, em Luanda, mais investimentos em “data center”, por garantir a segurança e a soberania de dados nacionais.