Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

03 Setembro de 2019 | 17h46 - Actualizado em 04 Setembro de 2019 | 13h44

Blocos em licitação com sete biliões de barris estimados

Luanda - Sete biliões de barris de hidrocarbonetos é a quantidade de ouro negro estimado nos dez blocos das bacias marítimas, em licitação nas províncias de Benguela e Namibe, pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), concessionária nacional.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Depois da Licitação das Concessões Petrolíferas, PCA da ANPG, Paulino Jerónimo, fala em conferência de imprensa esclarecendo eventuais equívocos

Foto: Rosário dos Santos

Trabalhadores, quadros e convidados participam na Licitação das Concessões Petrolíferas.

Foto: Rosário dos Santos

Os estudos feitos, até ao momento pela ANGP, nas bacias do bloco 10, em Benguela, 11, 12, 13, 27, 28, 29, 41, 42 e 43, no Namibe, confirmam a existência do sistema petrolífero funcional, que confirma camadas que podem ter propriedades para gerar hidrocarbonetos e características para acumular e armazenar o ouro negro.

A concessionária nacional diz que a partir dos estudos preliminares realizados foram identificados “armadilhas” de hidrocarbonetos que estão ainda num nível preliminar, tecnicamente identificadas por “Lead”, cujo recursos prospectivos rondam os sete biliões de barris de petróleo.

Os dados avançados nesta terça-feira, em conferência de imprensa, à margem da abertura do roadshow que vai abranger as cidades de Houston e Londres e Dubai, a ANPG assegura  estarem criadas as condições para a exploração de crude nos referidos blocos, pelos investidores do ramo.

Neste roadshow, aos potenciais investidores foi apresentado o perfil geológico, localização dos blocos, quadro legal aplicável ao sector petrolífero, bem como os termos comerciais, contratuais e o processo de licitação.

O concurso público das bacias marítimas de Benguela e Namibe é livre e abrange empresas interessadas nacionais e internacionais investidores no ramo, mas desde que tenham capacidade financeira para o efeito.

Na abertura deste evento, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleo, Diamantino Azevedo, disse que as licitações vêm dar corpo a estratégia de reforçar o lançamento da exploração por  forma a materialização do compromisso assumido para manutenção e crescimento da produção, bem como sustentabilidade económica do País.

“O trabalho prático já desenvolvido pela ANPG, desde a sua criação, e o empenho na relação com os stakeholders, são evidências inequívocas de que estamos no caminho certo”, considerou Diamantino Azevedo.

Depois de Luanda, a actividade será em Houston, a 10 de Setembro, ao que se segue Londres, a 17, com o prazo de inscrição a terminar a 6 e a 13 de Setembro, respectivamente.

O roadshow termina a 23 de Setembro, no Dubai, e as inscrições para este evento decorrerão até 19 do mesmo mês.

O anúncio do concurso está previsto para o dia 2 de Outubro, enquanto que a apresentação de propostas pelos interessados será até o dia 11 de Novembro. A adjudicação das concessões vai decorrer no dia 17 de Janeiro de 2020 e a negociação está prevista para o dia 27 de Março, para no dia 30 de Abril serem assinados os contrados.

 Capacidade financeira vai ditar processo

O presidente do Conselho de Administração da ANPG, Paulino Jerónimo, disse “não abrir mão” ao requisito “capacidade financeira”, para participar no sector petrolífero, tal como estabelece a Lei em vigor.

Referindo-se a participação das empresas nacionais, disse que abrindo eventuais “brechas”, a ANPG  estaria a violar a lei e criar problemas dentro de um grupo empreiteiro por incapacidade financeira para um determinada entidade.

“As empresas que provem capacidade financeira podem participar sem problemas, mas se não haver esta prova não têm como participar”, advertiu.

Esso fica com três blocos

 Os blocos 30, 44 e 45, localizados na bacia marítima da província do Nambie foram concedidos à petrolífera Esso, antes de entrar em vigor a estratégia de licitação, em Fevereiro deste ano.

Estes blocos, de acordo com Paulino Jerónimo, já estavam a ser negociados antes de Fevereiro deste ano, altura em que foi aprovada a estratégia de licitação.

Para este caso, não se trata de uma estratégia de licitação, mas sim uma estratégia de atribuição de concessões, que permitiu uma negociação directa sem que se passasse por um  concurso público.

“O processo de negociação com a ESSO está fechado. Os documentos de negociação, nesta altura já estão a nível do Ministério dos Recursos Mineirais e Petróleo, pronto a seguir as autoridades superiores”, avançou, sustentando estar já fechado o assunto da ESSO com relação aos blocos 30, 44 e 45, no Namibe.

A Total, é outra concorrente nos restantes blocos em licitação, de acordo com o seu director-geral, Oliver Jouny, que antevê um relançamento da produção.

Esta operadora francesa é a primeira operadora em Angola e detém 40% da produção nacional, com 650 mil barris/dia.

Ao stakeholders envolvidos neste sector se fizeram presente neste evento, além de representantes do corpo diplomático acredito em Angola.

Assuntos Petrolíferas  

Leia também
  • 02/09/2019 17:17:11

    Processo de licitações de blocos petrolíferos começa terça-feira

    Luanda - A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) inicia terça-feira, em Luanda, com o programa de licitação de blocos petrolíferos das bacias marítimas das províncias de Benguela e Namibe, para o período 2019/2025.

  • 22/06/2019 23:09:37

    Sonangol avalia situação actual da empresa

    Luanda - O Conselho de Administração da Sonangol avaliou nesta sexta-feira, em Luanda, com os trabalhadores a situação actual da empresa, suas perspectivas, bem como o quadro de pessoal e carreiras da empresa, soube hoje a Angop.

  • 04/06/2019 20:23:31

    IVA isenta empresas do sector petrolífero

    Luanda - O Imposto Sobre Valor Acrescentado (IVA), que entra em vigor a 1 de Julho próximo, isenta as empresas do sector petrolífero ligadas às áreas de pesquisa e desenvolvimento, anunciou nesta terça-feira, em Luanda, a técnica da Administração Geral Tributária (AGT), Luísa Cursino.