Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

28 Setembro de 2019 | 16h24 - Actualizado em 28 Setembro de 2019 | 16h11

Huíla: CFM assinala 114 anos com foco no aumento de frequências e redução de pessoal

Lubango - A redução do número de trabalhadores, com realce para aqueles em idade de reforma, aumento das frequências, de quatro para seis comboios diários (Namibe, Huíla e Cuando Cubango), nos dois sentidos, fruto do redimesiomaneto do Caminho de Ferro de Moçamedes(CFM) ,constituem mecanismos levados a cabo pela empresa, nos últimos meses, a fim de reduzir os custos e iniciar a obtenção de rentabilidade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huíla: Daniel Quipaxe - PCA do CFM

Foto: Amélia Oliveira

Ao falar à Angop, a margem dos 114 anos da empresa pública, que hoje se assinalam, o seu Presidente do Conselho de Administração, Daniel Quipaxe, disse que actualmente o CFM conta com mil e 482 trabalhadores, dos quais 210 estão com processos em curso para a reforma.

Para ele, este "elevado" número de funcionários faz com que a empresa despenda ,140 milhões de kwanzas em ordenados por mês.

Explicou que, actualmente, têm sido feitos dois comboios de passageiros diários Menongue/Lubango e para Lubango/ Namibe, dois comboios de carga e quatro de passageiros semanalmente.

Declarou tratarem-se de pequenos mecanismos que vão auxiliar os custos, pois para serem rentáveis tinham de começar o transporte do mineiro de ferro, objectivo pelo qual a empresa foi  reabilitada e modernizada de 2006 a 2014.

Reafirmou que o CFM tem uma média mensal de facturação de 40 a 50 milhões de Kwanzas, no transporte de passageiros e mercadorias, valor que que  para ele,só cobre os custos com combustível,.

O responsável  disse ser necessário para  se atingir a rentabilidade, de pelo menos 200 milhões de Kwanzas mensais para equilibrar a bança financeira da empresa, o que só será possível quando começar a exploração do ferro de Cassinga, no município da Jamba.

“Estamos a transportar granito, pequenas cargas contentorizadas, mas o mercado tem dificuldades de importar equipamento e outros bens, o que afecta a nossa empresa, essencialmente a prestação de serviço para o transporte de carga, uma vez que fazemos o transporte de passageiros como um transporte social, não como principal objectivo do CFM”, continuou.

Referiu precisar-se melhorar a agressividade na busca de mais negócios, melhorar a formação dos quadros, assim como o material circulante com a aquisição de mais vagões, pois os 80 vagões existentes não correspondem a demanda.

A existência de elevadas quantidades de carga para transportar e nem sempre o número de vagões responde, o que necessitariam de mais 200,  e que para a sua aquisição requererá de algum esforço da empresa e do Executivo.

" Melhorar os serviços, a capacidade em termos de transportação, melhorar a segurança ferroviária para dar maior garantia aos utentes, potenciando os quadros com formação académica e profissional", constam das prioridades da Empresa, revelou.

O CFM faz as rotas passageiros Lubango/Menongue, mistos Lubango/Moçâmedes,Lubango/Menongue e Lubango/Tchamutete, enquanto que as composições de carga trazem gasóleo do porto pesqueiro de Sacomar ao Lubango, assim como granito da comuna da Arimba/Namibe, Namibe/Jamba e gás butano Sacomar/Menongue.

O CFM estende-se por uma linha de 905 quilómetros do Namibe a Menongue, com 56 estações, passando pelo Lubango onde tem a sua sede. Beneficiou de obras que iniciaram em 2006 e que terminaram em 2014, numa empreitada que custou 1.2 milhões de dólares norte-americanos para renovar a linha férrea, bem como construiu-se 56 novas estações ao longo de um traçado de 907 quilómetros.

Leia também
  • 28/09/2019 16:04:35

    Zaire: Atraso na alocação de verbas paralisa obras do terminal marítimo do Soyo

    Soyo - As obras do terminal fluvial e marítimo do município do Soyo, província do Zaire, com uma grau de execução física na ordem dos 85 por cento, estão paralisadas há mais de um mês, devido ao atraso na alocação dos 29% da verba do orçamento global da empreitada.

  • 24/09/2019 17:23:19

    Produção de energia na barragem da Matala reduz 85%

    Lubango - A falta de água na albufeira da barragem hidroeléctrica da Matala provocou, nos últimos dois meses, a uma redução do fornecimento de energia eléctrica de 39 megawatts para seis, correspondendo a uma redução de 85% da sua capacidade.

  • 23/09/2019 19:34:45

    Canal de irrigação beneficia mais de dois mil agricultores

    Caluquembe - A reabilitação do canal de irrigação da comuna de Vila Branca, no município de Caluquembe (Huíla), permite, actualmente, irrigar um perímetro de 400 hectares, em benefício de sete associações de camponeses, que congregam 2 mil e 500 agricultores.