Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

23 Outubro de 2019 | 16h14 - Actualizado em 23 Outubro de 2019 | 17h33

País projecta 14 milhões de quilates com Luaxe

Sochi (Dos enviados especiais) - Angola prevê produzir até 2022, com a entrada em exploração da Mina de Luaxe (Lunda Sul), pelo menos 14 milhões de quilates de diamantes.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Isso poderá representar quase o dobro da produção actual do país, cifrada em 9,5 milhões, anunciou nesta quarta-feira, em Sochi, o presidente da Endiama, Ganga Júnior, à margem do Fórum Económico Rússia-África.

O gestor anunciou à imprensa que será acelerado o processo de construção da Mina do Luaxe, por ser um kimberlito estratégico.

Para tal, disse ser necessário, numa primeira fase, um investimento de 250 milhões a USD 300 milhões para o arranque da produção na mina

Adiantou que a produção deverá ser desenvolvida de forma faseada, a fim de, em cinco anos, a mina ter capacidade de processamento semelhante a de Catoca.

Segundo o presidente da Endiama, Catoca conta actualmente com produção de quase 10 milhões de toneladas-ano. "Por enquanto, a nossa intenção é começar com cerca de dois milhões de toneladas-ano e ir crescendo gradualmente", expressou.

Com uma reserva estimada em 350 milhões de quilates, os trabalhos de prospecção geológica e levantamento geofísico da mina tiveram início em 2008.

O kimberlito, descoberto em 2009, ocupará uma área de 100 hectares e é projectado para atingir a profundidade de 400 metros.

Noutro domínio, o presidente da Endiama negou que a empresa esteja técnicamente falida, como se avança em algumas redes sociais e orgãos de imprensa.

"O que estamos a fazer é trabalhar para melhorar o nível de desempenho das empresas, que encontramos quase todas com dificuldades operacionais e financeiras", declarou.

Afirmou que têm trabalhado para definir acções correctivas e implementa-las, bem como encontrar formas para a Endiama ser produtora de diamantes.

Até agora,explicou, a empresa é apenas gestora de participações, mas pretende-se no futuro que tenha minas novas.

"As dívidas são para ser resolvidas e encontraremos solução definitiva. Mas devo informar que a Endiama não está falida técnica e financeiramente", sublinhou.

Confirmou que a empresa tem várias dívidas (pouco significativas) contraídas directamente e outras que resultam de contratos de empresas em que participou e deu a sua garantia na contração dos financiamentos.

Assuntos Diamantes  

Leia também
  • 04/10/2019 18:16:01

    Endiama relança três projectos diamantíferos

    Dundo - Vinte e cinco milhões de dólares norte-americanos estão a ser investidos para o relançamento dos projectos diamantíferos do Cassanguidi, Chimbongo e Furi, no município de Cambulo, Lunda Norte, informou hoje, sexta-feira, no Dundo, o presidente do conselho de administração da Endiama, Ganga Júnior.

  • 25/09/2019 16:58:00

    Sodiam recebe prémio inovação

    Luanda - A Empresa Nacional de Comercialização de Diamantes de Angola (Endiama) foi recentemente reconhecida no continente africano como a terceira melhor organização na categoria de Inovação, no SAP Africa QualityAwards.

  • 17/09/2019 22:03:25

    Áreas diamantíferas no Bié sem exploração ilegal - governador

    Cuito - As áreas diamantíferas no Bié, com enfase no município da Nharea, são actualmente exploradas por alguns nacionais devidamente autorizados e não por ilegais, garantiu, hoje (terça-feira), em Catabola, o governador provincial, Pereira Alfredo.