Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Janeiro de 2020 | 18h15 - Actualizado em 14 Janeiro de 2020 | 18h14

Licenciadas 260 cooperativas para exploração de diamantes

Luanda - Duzentas e 60 cooperativas para exercerem actividade de exploração semi-industrial de diamantes foram licenciadas pela Empresa Nacional de Diamantes (Endiama) em 2019.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Diamantes

Foto: Francisco Miúdo

A informação foi avançada hoje, em Luanda, pelo presidente do Conselho de Administração do Grupo Endiama EP, José Manuel Ganga Júnior, referindo que está em curso um conjunto de medidas regulamentares e técnicas destinadas a promover a evolução destas cooperativas à escala industrial.

Na sua óptica, o objectivo é que dentro de dois anos as cooperativas evoluam para o estágio de pequenas empresas.

Ganga Júnior destacou que antes da Operação Transparência, levada a cabo em 2018 pelo Ministério do Interior, existiam mais de 700 pequenos exploradores de diamantes. Depois da Operação Transparência, ao longo do ano passado, dos 700, apenas 260 reuniram os requisitos para continuarem a explorar diamantes.

Porém, nem todas que receberam licença de exploração começaram já a produzir. “Os produtores independentes, aqueles que com uma senha cada um ficava a cavar no seu quintal para encontrar diamante, estes acabaram, é para esquecer”, sublinhou.

As cooperativas que começaram a produzir em 2019, de acordo com o PCA da Endiama, atingiram um total de 38 mil quilates. Entretanto, o actual quadro organizacional do sector dos diamantes obriga os pequenos produtores a vender os diamantes à SODIAM “para evitar tráfico de diamantes”, justificou Ganga Júnior, que lidera a empresa que também desempenha o papel de concessionária para a exploração de diamantes.

Quanto aos preços, muitas vezes contestados pelos vendedores, por considerarem que são impostos, Ganga Júnior explicou que está a ser equacionado um organismo que vai permitir que o processo de negociação do preço justo envolva um avaliador independente, um avaliador do vendedor e um do comprador, de modo a encontrar um ponto de equilíbrio, muito perto do preço praticado internacionalmente.

Assuntos Diamantes  

Leia também
  • 13/01/2020 17:44:56

    Exploração semi-industrial de diamantes pode acabar em Angola

    Luanda - O sector diamantífero em Angola poderá acabar com a exploração semi-industrial de diamantes, com vista a conferir maior competitividade, transparência e eficiência às actividades diamantíferas, anunciou hoje (segunda-feira) o presidente de Conselho de Administração da Endiama, Ganga Júnior.

  • 13/01/2020 17:15:48

    Diamantes com adicional de 34,7 milhões de dólares em 2019

    Luanda - A receita bruta da produção do sector diamantífero angolano atingiu, durante o ano de 2019, mil milhões, 263 milhões, 141 mil e 553 de dólares americanos, representando um aumento de 10%, resultando numa receita adicional de USD 34,7 milhões em relação ao ano de 2018.

  • 13/12/2019 07:10:15

    SML factura acima de USD 4,3 milhões

    Lucapa - A Sociedade Mineira do Luachimo (SML) facturou, durante o terceiro trimestre do ano em curso, quatro milhões, 350 mil dólares na venda de diamantes.