Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

25 Janeiro de 2020 | 10h52 - Actualizado em 25 Janeiro de 2020 | 10h52

Obras do Porto de Águas Profundas do Caio retomam este mês

Cabinda - As obras de construção do Porto de Águas Profundas do Caio, paralisadas há cerca de dois anos, em Cabinda, retomam, este mês, o seu ritmo normal, fruto do pagamento da dívida de 124 milhões de dólares norte-americanos às empresas empreiteiras.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

As obras do Porto de Águas Profundas do Caio paralisadas a mais de dois anos retomam este mês

Foto: Angop

Nazareth Neto, Director-Geral do IMPA

Foto: Angop

A liquidação da respectiva dívida coube ao Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA), que entregou,quinta-feira (23), o montante às empresas Caio Porto e CRBC.

Na ocasião, o director-geral do IMPA, Nazareth Neto, que representou o Ministério dos Transportes na entrega do valor, reuniu com as respectivas empresas que intervêm na execução da obra.

Nazareth Neto assegurou que está ultrapassada a questão financeira que originava a paralisação da obra, no período de cerca de dois anos, tendo referido que os passos seguintes reserva a revisão de outras facturas das operações realizadas durante o ano de 2019.

Segundo o responsável, com o pagamento da dívida, prevê-se a conclusão da primeira fase em 2022, sendo que no terceiro trimestre de 2021 será concluída a primeira fase do cais com a atracação do primeiro navio de longo curso.

Por seu turno, o presidente do conselho de administração do Porto de Cabinda, Samuel Sambo, mostoru-se satisfeito com a retomada das obras do Porto de Águas Profundas do Caio.

A opção de manter as empresas Caio Porto e a CRBC no projecto visa recomeçar a construção da infra-estrutura portuária, para por fim a dependência da província do Porto Económico de Ponta-Negra, República do Congo Brazaville.

As obras do Porto de Águas Profundas do Caio iniciaram em 2015 e registou interrupções depois de atingir, em 2017, níveis de execução física acima de 45 por cento, com a construção de mais de 400 dos 775 metros de cais previstos.

O investimento no Porto do Caio está avaliado em mais de 800 milhões de dólares, dos quais 180 milhões foram já financiados pelo Fundo Soberano.

Tida como a maior infra-estrutura da província, terá após a sua conclusão um ancoradouro com 1.130 metros de comprimento (atracagem de 4 navios em simultâneo) e 16 metros de profundidade, com capacidade para receber navios de grande porte.

Terá ainda zonas envolventes superior a 2.500 hectares, instalações aduaneiras, oficinas (serviços de apoio ao porto e reparação de navios), armazéns e estabelecimentos comerciais.

A retomada das obras do porto do caio permitiu o regresso de muitos trabalhadores que se encontravam dispensados das suas empresas de apoio as obras.

Assuntos Província » Cabinda  

Leia também
  • 31/12/2019 14:04:03

    Retrospectiva: Construção da Refinaria destaque em 2019 em Cabinda

    Cabinda - Depois de estudos para se determinar a potencialização da oferta dos derivados do petróleo bruto na província de Cabinda, foi lançado oficialmente, este mês, o projecto para a construção de uma Refinaria nesta região nacional.

  • 27/12/2019 19:19:52

    Cabinda recebe tractores para fomento agrícola

    Cabinda - Dezassete tractores agrícolas do lote de 39 destinados a província de Cabinda, no âmbito da estratégia do programa do Executivo para a saída da crise, diversificação da economia e redução das importações, chegaram esta quinta-feira à província de Cabinda.

  • 16/12/2019 13:31:33

    Angola prevê refinar mais de 300 mil barris/dia

    Cabinda - A indústria de refinação de petróleo bruto em Angola prevê passar a refinar, dentro de cinco anos, 360 mil barris de petróleo bruto por dia, através de um processo gradual até 2025, visando suprimir as actuais importações e os custos que envolvem os derivados do crude, provenientes do exterior.