Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

18 Fevereiro de 2020 | 16h31 - Actualizado em 18 Fevereiro de 2020 | 16h34

Diamantes rendem USD 1,3 mil milhões em 2019

Luanda - A produção de diamantes no país facturou 1,3 mil milhões de dólares norte-americanos, em 2019, com a venda 9,4 milhões de quilates.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Diamantes

Foto: preparado Zita Gonçalves

Relativamente a 2018, registou-se um crescimento de 12,3 por cento da produção e um incremento de 6,2% da receita, segundo o director Nacional de Mercados e Promoção de Comercialização do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, Gaspar Sermão.

O responsável sublinhou que o prémio médio do diamante foi de cerca de 136 dólares por quilate, uma redução na ordem dos 10% relativamente ao ano de 2018. Porém, o aumento da produção foi capaz de contrabalançar a queda do preço, por isso os resultados foram positivos.

Dentre as companhias, a Sociedade Mineira de Catoca destaca-se como o maior operador do sector, responsável por cerca de 90% da produção de diamantes de Angola, maior empregador privado na Província da Lunda Sul e parceiro económico e social do governo local.

Gaspar Sermão disse que o objectivo do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos é o acompanhamento da actividade comercial do diamante, aferir a avaliação dos preços no mercado internacional, acompanhar os fundamentos do mercado e avaliar o desempenho das empresas que comercializam os diamantes.

Por sua vez, o secretário de Estado para a Geologia e Minas, Jânio da Rosa Correia Victor, referiu que a produção de diamantes vai manter-se, pois a intenção é estabilizar a produção.

Para o responsável, a Endiama está a fazer um grande trabalho nas empresas mineiras actuais, onde se está a optimizar o processo mineiro para o aumento da produção.

No que diz respeito à retirada da licença dos produtores que não têm capacidade para explorar, Jânio da Rosa argumentou que os produtores tiveram algum tempo para se organizar e uma moratória de dois anos.

Caso a organização não aconteça durante este período será retirada a licença de exploração.

O responsável salientou que actualmente 12 minas encontram-se em funcionamento divididos entre grandes e pequenos projectos, tendo igualmente avançado que os diamantes comercializados no ano passado são provenientes das províncias da Lunda-Sul (89%) e Lunda-Norte (11%).

Das 12 minas (projectos) nove são aluviões e três kimberlitos. O projecto que mais produz é a Sociedade Mineira de Catoca (SMC) com uma média estimada de 600 mil quilates de diamantes por ano.

A Endiama, Empresa Pública, é a concessionária do subsector de diamantes e consequentemente accionista dos 12 empreendimentos de exploração de diamantes nas Lundas.

Os registos da descoberta do primeiro diamante em Angola indicam o ano 1912. 

Assuntos Economia  

Leia também
  • 18/02/2020 17:58:33

    Balcão do BPC terá rede center auxiliada por quatro ATM

    Luena - O balcão "Saydi Mingas" do Banco de Poupança e Crédito (BPC), na cidade do Luena, vai contar neste mês de Fevereiro, com uma rede center auxiliada por quatro multicaixas (ATM), para corresponder a demanda de clientes que se faz sentir na região.

  • 18/02/2020 13:32:00

    BM quer criar núcleo de pessoas competentes para PPP em Angola

    Luanda - O Banco Mundial (BM) quer criar um núcleo de pessoas competentes que podem realmente garantir êxito às políticas do Executivo angolano voltadas às Parcerias Público-Privadas (PPP), disse nesta terça-feira, em Luanda, representante do BM em Angola, Olivier Lambert.

  • 18/02/2020 13:20:59

    País vai ter Órgão de Governação das Parcerias Público-Privadas

    Luanda - O País vai ter um Órgão de Governação das Parcerias Público-Privadas (PPP), para seleccionar os projectos prioritários e ter parcerias que contribuam para o desenvolvimento de Angola, anunciou nesta terça-feira, em Luanda, o ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos.