Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

20 Março de 2020 | 18h51 - Actualizado em 20 Março de 2020 | 18h51

Secretário do PR aconselha exploração sustentável dos recursos piscatórios

Baía Farta - O secretário do Presidente da República para o sector produtivo, Isaac dos Anjos, admitiu hoje (sexta-feira), no município da Baía Farta, província de Benguela, que existe limitação de recursos piscatórios na costa local, o que implica uma exploração responsável para se garantir a sua sustentabilidade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Secretário do Presidente da República Para o Sector Produtivo, Isaac dos Anjos

Foto: Francisco Miúdo

Em declarações à imprensa, no segundo e último dia da sua visita de constatação do sector piscatório local, Isaac dos Anjos disse que o mar só dá o que pode, por isso, há necessidade de preservação e sustentabilidade dos seus recursos.

Quanto a presença de navios pesqueiros, sobretudo estrangeiros, que praticam pesca de “arrastão”, o secretário disse não ser sua a responsabilidade de se pronunciar sobre o assunto.

“Fui enviado à província para fazer um diagnóstico do sector e falar com as entidades locais, a fim de se tomarem decisões para mitigar a situação, e medidas serão tomadas”, afirmou, sustentando que elas terão em atenção a necessidade de se assegurar os empregos e a sustentabilidade dos recursos do mar.

Questionado sobre a possibilidade de vir a assumir a governação da província de Luanda, afirmou que nunca foi abordado sobre o assunto, pelo que são meras especulações.

“Já exerci a função em três províncias. É tempo dos jovens assumirem as suas responsabilidades”, retorquiu.  

Depois de trabalhar recentemente na província do Namibe, o secretário da Presidente da República chegou esta quinta-feira a Benguela, onde manteve um encontro de trabalho, a porta fechada, com os operadores do sector piscatório, na sede municipal da Baia Farta, principal pólo de pesca na província.

Hoje, sexta-feira, para encerrar a sua jornada de campo, deslocou-se à povoação piscatória da Caota, município de Benguela, onde manteve contacto com as pescarias Famiahão e Guanda Pesca.

Após constatações na Caota, Isaac dos Anjos regressou à Baia Farta, tendo visitado e interagido com os responsáveis das empresas (pescarias) Pesca Fresca, Vimar e Filhos e a empresa Iemanjá, antes de se deslocar até a Cidade do Sal.

Desde finais de 2019, a região costeira da província (cidades de Benguela, Baía Farta, Catumbela e Lobito) tem registado uma acentuada falta de pescado, incluindo de sardinha, um dos pelágicos geralmente mais abundantes e de grande consumo na região, passando a custar actualmente 200 kwanzas a unidade, contra os anteriores 10 kz.

Nas pescarias, uma caixa de carapau de 20 quilogramas custa actualmente entre 21 a 23 mil kwanzas, quando há meses era comercializada entre 10 a14 mil kwanzas.

Leia também
  • 17/03/2020 18:17:20

    Cimenfort vai reenquadrar trabalhadores

    Catumbela - Noventa e quatro trabalhadores nacionais despedidos em 2019 pela fábrica de cimento Cimenfort, localizada no município da Catumbela, província de Benguela, devido à conjuntura económica da empresa, serão readmitidos paulatinamente a médio-prazo, anunciou o gerente industrial desta unidade, Evilmar Naves.

  • 10/03/2020 13:35:51

    AGT pretende inscrever mil prédios até Dezembro

    Lobito - A Repartição Fiscal do Lobito, na província de Benguela, pretende inscrever cerca de mil prédios para o alargamento da sua base tributária (Imposto Predial Urbano), até a primeira quinzena de Dezembro deste ano, informou hoje, terça-feira, o seu chefe adjunto, Paulo Chilala.

  • 06/03/2020 16:34:42

    Soba Catumbela reajusta produção

    Lobito - A fraca demanda dos seus produtos, acrescida ao impacto do Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA) na venda das mercadorias, obrigaram a empresa cervejeira privada Soba Catumbela a reduzir o volume de produção, apurou hoje, sexta-feira, a Angop.