Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

20 Maio de 2020 | 19h58 - Actualizado em 20 Maio de 2020 | 21h16

Ministro quer aprimorado mecanismo de arrecadação de receitas

Luanda - O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, aconselhou, nesta quarta-feira, as empresas do sector a aprimorar os mecanismos de arrecadação de receitas, para contribuir no processo de desenvolvimento do país e garantir a sua sustentabilidade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

João Baptista Borges, Ministro da Energia e Águas (Arquivo)

Foto: Gaspar dos Santos

O  governante, que falava depois de empossar os novos conselhos de administração da Empresa Pública de Produção de Electricidade (PRODEL-E.P)  e da Empresa Nacional  de Distribuição de Electricidade (ENDE-E.P), afirmou que, por via dos serviços prestados e arrecadação de receitas, num sector que pretende desenvolver ramos da economia tão relevante, deve ser uma prioridade.

“ É um aspecto que preocupa a todos diariamente. Necessitamos, cada vez mais, de ver reflectida na nossa tesouraria  as receitas dos produtos colocados ao dispor dos cidadãos”, referiu.

João Baptista Borges disse estarem num processo em que a subsidiação das tarifas  foi eliminada  desde  Agosto de 2019 e as empresas devem garantir as suas receitas por via das cobranças.

De acordo com o ministro, as referidas receitas  vão servir, além de uma melhor remuneração dos trabalhadores, para a  melhoria das condições de trabalho em ambos os sectores.

Apelou aos empossados a se deslocarem mais vezes ao interior no país para saberem mais sobre a realidade dos seus sectores, como forma de levar a tranquilidade e qualidade de vida ali onde existir uma comunidade.

“Estamos numa fase em que os investimentos feitos pelo governo se direccionam para um melhor acesso dos cidadãos a estes serviços essenciais, apesar das circunstâncias  financeiras”, argumentou.

Garantiu que um dos princípios a ser sempre preservado passa pela capacidade técnica, notando que ainda existe um défice em algumas áreas técnicas.

Apelou a dedicação e sacrifício, empenho na tarefa diária e a  um diálogo permanente entre trabalhadores e consumidores, como forma de aferir a qualidade de trabalho e serviço prestado.

Os empossados foram nomeados esta terça-feira, pelo Presidente da República por via decretos.

Conforme uma nota da Casa Civil, foi nomeado para a nova gestão da PRODEL, EP, Joaquim Ventura, Presidente do Conselho de Administração.

 O corpo directivo da empresa integra ainda Pedro Eduardo Manuel Afonso, Administrador Executivo; Euclides Morais de Brito, Administrador Executivo; Benício Pedro Machado, Administrador Executivo; e Rosa Afonso Miguel, Administradora Executiva.

Francisco de Maria de Meireles Vasconcelos Júnior foi nomeado Administrador Não Executivo, o mesmo cargo de Emanuela Bernardett Afonso Vieira Lopes.

Noutro Decreto, João Lourenço nomeou Hélder de Jesus Garcia Adão, para o cargo de Presidente do Conselho de Administração da ENDE, EP.

Foram ainda nomeados João de Deus Pereira Furtado, Administrador Executivo; Pedro Estêvão Buca, Administrador Executivo; Manuel de Jesus Neto Adão, Administrador Executivo; e Isabel Augusto dos Santos, Administradora Executiva.

Ainda hoje foi empossado Venceslau Txindji Chissupa, para o cargo de Administador Executivo da Empresa Públicas de Àguas.

Assuntos Energia  

Leia também
  • 01/05/2020 12:16:41

    PRODEL promete normalizar energia em Cabinda

    Luanda - A Empresa Pública de Produção de Electricidade (PRODEL) promete normalizar, nos peróximos dias, o fornecimento de energia à cidade de Cabinda, três semanas depois das restrições resultantes da rotura de stok de materiais consumíveis, situação que forçou a redução da produção.

  • 30/04/2020 12:17:08

    ENDE recupera mais de 600 milhões de Kwanzas de dívida

    Lubango - A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade na Huíla (ENDE) recuperou, em 2018, uma dívida de 601 milhões 870 mil e 265 kwanzas, mediante um programa de negociação com os devedores.

  • 21/03/2020 16:30:27

    Vandalização do pré-pago causa prejuízos AKz 33 milhões

    Lubango - Quatro mil e 327 contadores do sistema pré-pago de eneregia eléctrica foram vandalizados de Janeiro a presente data pelos próprios consumidores da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE-EP), no Lubango, tendo causado prejuízos avaliados em 33 milhões de kwanzas.