Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

08 Julho de 2020 | 18h09 - Actualizado em 08 Julho de 2020 | 18h08

Covid-19: Fábrica de detergentes quer expandir mercado

Benguela - Depois de Benguela e Luanda, a fábrica de detergentes Huilux, localizada no Pólo de Desenvolvimento Industrial da Catumbela, começou recentemente a comercial os seus produtos na província do Huambo e augura distribuí-los em todo país, devido à demanda imposta pela covid-19.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Benguela: Fachada da fábrica de detergentes Huilux

Foto: Carlos Benedito

Benguela: Horácio Cahuita, Chefe de Departamento Comercial da Fábrica de detergentes Huilux

Foto: Carlos Benedito

Com uma produção actual de 300 mil litros/mês de lixívia, álcool gel, solução alcoólica, desinfectante bactericida para superfícies, detergentes de roupas, sabonetes, limpa vidros e outros produtos, a empresa, segundo apurou nesta quarta-feira à ANGOP, pretende deste modo contribuir na prevenção da propagação da pandemia.

Segundo Horácio Cahuita, responsável do departamento comercial da unidade fabril, a província de Luanda absorve actualmente 80 por cento da sua produção, vindo depois Benguela e agora o Huambo.

O responsável disse que a fábrica perspectiva um aumento da produção no sentido de fazer chegar os seus produtos a todas as províncias de Angola.

A matéria-prima da fábrica é de origem europeia, asiática e da África do Sul, realçando que pese embora o país estar a viver uma situação cambial desfavorável, a fábrica tem conseguido fazer alguma importação e tem neste momento mercadorias em trânsito.

“Neste quesito, estamos tranquilos e não há perigo de rotura de matéria-prima”, frisou, acrescentando que consomem actualmente 33 mil litros de etanol mensalmente, todo de origem nacional.

Por outro lado, asseverou que os 71 trabalhadores da empresa possuem equipamentos de protecção individual como viseiras, máscaras faciais, assim como diariamente passam pelo rastreio de um medidor de temperatura e desinfectam as mãos e os calçados em locais específicos.

Os clientes e parceiros da unidade fabril também são obrigados a usar todo equipamento de protecção individual e passam pelos mesmos mecanismos de controlo para se conter o coronavírus.

A Huilux – Indústria, Comércio e Prestação de Serviços é uma empresa 100 porcento angolana destinada à produção de detergentes para atender à indústria petroquímica, farmacêutica e agro-pecuária, além da higiene e limpeza doméstica.

Surgiu em 2014 no Pólo de Desenvolvimento Industrial da Catumbela (PDIC), num investimento de um milhão e 800 mil dólares norte-americanos.

Absorve actualmente apenas mão-de-obra nacional, sobretudo jovens, sendo Horácio Cahuita um exemplo vivo, com cinco anos de fábrica, onde entrou como auxiliar de contabilidade e agora é o responsável do departamento comercial.

Leia também
  • 08/07/2020 17:31:12

    Camponeses da região sul beneficiam de fertilizantes

    Lobito - Cinco mil e quinhentas e vinte e uma toneladas de fertilizante do tipo NPK 12-24-12, importadas da China pela empresa Vera Nova limitada, estão a ser descarregadas no Porto do Lobito, para abastecimento dos camponeses de Benguela, Huambo e Huíla, soube hoje, quarta-feira, a Angop.

  • 07/07/2020 21:25:18

    Pescado do navio Olutorsky começou a ser descarregado

    Lobito - Quatro dias depois, o impasse que impedia a descarga das 800 toneladas de carapau, apreendidas ao navio ucraniano Olutorsky, no Lobito, foi resolvido, nesta terça-feira.

  • 07/07/2020 21:14:01

    Autoridades multam navio ucraniano em AKZ 500 milhões

    Lobito - Cerca de 500 milhões de kwanzas é a multa a ser paga pelo armador do navio pesqueiro ucraniano "Olutorsky", de bandeira camaronesa, pela pesca de mais de 800 toneladas de carapau, em tempo de veda da espécie pelágica.