Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Agosto de 2020 | 10h22 - Actualizado em 14 Agosto de 2020 | 12h16

Associação incentiva operadores turísticos a reinventarem-se

Lubango - A Associação de Promotores e Operadores de Turismo (Hotour) da Huíla incentivou os operadores turísticos reinventarem as suas actividades com recurso a novos modelos de negócio, face as limitações impostas pela pandemia da covid-19.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Huíla: Vista parcial do rio no município da Chibia, uma das várias belezas turísticas da província

Foto: Morais Silva

Huíla: João Lopes - agente de turismo

Foto: Amélia Oliveira

Segundo o presidente da associação, João Lopes, os novos modelos passariam em os restaurantes e similares apostar mais em serviços de take away e entregas ao domicílios, fazer pacotes turísticos para caminhadas, passeios de carro ou outro meio de transporte.

Em declarações à Angop, o presidente da Hotour na Huíla disse que os empresários do sector precisam de mais dinamismo no desenvolvimento de iniciativas próprias, a fim de não deixarem a suas actividades fracassarem, tendo em conta o momento que o país vive.

“Poderíamos também criar parques de campismo, esperando que o Estado crie uma política de expansão, legislando sobre os parques de campismo, entre outros modelos de negócios inerentes ao ecoturismo, nomeadamente o game lodje”, reforçou.

Desaconselhou os empresários a esperarem somente pelas ajudas do governo, pois os apoios têm de ser sustentados no papel, o que constitui um processo demorado, daí a importância que os operadores comecem a ser mais visionários e objectivos no desenvolvimento das suas ideias.

Realçou que o turismo não tem recebido a devida atenção a par de outros sectores, como um ramo económico que pode alavancar a economia nacional, lamentando que o ministério de tutela não tenha criado estímulos, desde o inicio da pandemia no país, além da inexistência de diálogo da parte das autoridades relativamente ao sector.

Salientou que a vida continua nas províncias sem confinamento, mas com o isolamento decretado, são notórios os prejuízos resultantes na tesouraria das empresas, o que faz com que o sector seja mais afectado.  

Frisou que apesar de existir uma moratória para o retardamento do pagamento de impostos, não é suficiente para que as empresas continuem a suportar as suas obrigações com os impostos, deviam ter no mínimo seis meses, podendo ser alargados até um ano.

A rede turística na província da Huíla é composta por mil e 74 unidades hoteleiras e similares das quais 13 são hotéis, 17 pensões, 14 complexos turísticos, um conjunto turístico, 86 hospedarias, 920 restaurantes e semelhantes e 23 agências de viagem e turismo. Tem igualmente 11 monumentos e sítios classificados, que empregam um global de perto de três mil pessoas.

Assuntos Província » Huíla   Turismo  

Leia também
  • 13/08/2020 12:10:52

    Huíla quer crédito para operadores turísticos

    Lubango - O director do gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos da Huíla, Osvaldo Lunda, defendeu esta quinta-feira a concessão de crédito para operadores turísticos com juros bonificados, para recuperar as unidades hoteleiras e similares da região e enfrentar as limitações de funcionamento impostas pela covid-19.

  • 13/08/2020 10:28:09

    Empresa Jardins da Yoba já beneficia do "Alívio Económico"

    Lubango - A empresa "Jardins da Yoba" já recebeu os 60 milhões de kwanzas do programa de alívio económico, uma iniciativa do Governo angolano que visa acudir micro, pequena e médias empresas com dificuldades resultantes dos condicionalismos causadas pela propagação do novo Coronavírus.

  • 12/08/2020 11:52:58

    Inadec apreende 520 sacos de farinha de trigo deteriorada

    Lubango - Quinhentos e 20 sacos de farinha de trigo deteriorada, à venda num estabelecimento comercial da cidade do Lubango, província da Huíla, foram apreendidos nesta terça-feira (11) pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec), no quadro de uma visita de inspecção.