Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

14 Agosto de 2020 | 09h26 - Actualizado em 14 Agosto de 2020 | 09h46

Prodesi financia produção de café

Luanda - Quinze cooperativas agrícolas, algumas das quais viradas para o cultivo de café, serão apoiadas em cada uma das 18 províncias do país com valores acima de 50 milhões de kwanzas, visando aumentar a produção nacional, âmbito do Prodesi.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Café pronto para colheita

Foto: Joaquim Tomas

O facto foi avançado, esta quinta-feira, pelo secretário de Estado do Planeamento, Milton Reis, no final de uma visita à fábrica de café “Angonabeiro”, tendo acrescentado que estão a trabalhar com os governos provinciais para a selecção de produtores organizados em regiões tradicionais no cultivo de café e outros produtos.

Com esta medida de apoio financeiro aos agricultores, referiu, será possível aumentar a produção do café, actualmente feita apenas pela agricultura familiar.

Segundo o governante, a Angonabeiro está dentro dos principais objectivos do Prodesi que é substituir importações e também estão a exportar Café Ginga (transformado) e  café verde, exportando quase 50 por cento do total do país.

Em relação à Angonabeiro, adiantou que a empresa beneficiou, no âmbito do Prodesi, através do Banco Nacional de Angola (BNA), de um financiamento de cerca de cinco mil milhões de kwanzas, para o aumento da capacidade desta unidade fabril.

Disse serem produzidas actualmente seis toneladas/dia, quantidade considerada “baixa”, tendo reconhecido que há espaço para aumentar a produção de café em Angola.

A Angonabeiro está a fazer um investimento total de 8,9 mil milhões de kwanzas para reforçar a sua capacidade produtiva, melhorar a qualidade do seu produto e reforçar a exportação de café Ginga, segundo o seu director-geral, Miguel Carvalho.

O programa de apoio do Prodesi está ser materializado na renovação das linhas de transformação de café verde, com a implementação de um novo torrador, de novas linhas de embalamento de café em grão e moído, novas etiquetadoras.

Para este ano, a fábrica prevê comprar cerca de duas mil toneladas de café no país, destinadas à exportação de café verde e à produção da marca Ginga em Angola.

Até Abril último, já exportadas 160 toneladas de café da safra passada, e, a partir de Agosto, com a nova safra a Angonabeiro prevê recomeçar as exportações.

A empresa tem planeada a exportação de mil e 200 toneladas de café verde.

Integraram igualmente a comitiva, que visitou a Angonabeira, os secretários de Estado do Comércio, Amadeu Nunes, da Indústria, Ivan Prado, e o director técnico do Instituto Nacional do Café (INCA), José Mahinga, o presidente do Inapem, Arnito Agostinho.

Assuntos Agricultura   Economia  

Leia também
  • 14/08/2020 12:26:50

    Autoridades apreendem madeira no parque Luengue-Luiana

    Menongue - Duzentos e quarenta metros cúbicos de madeira, explorados de forma ilegal no perímetro do Parque Nacional Luengue-Luiana, que representa a componente angolana no projecto da área transfronteiriça de conservação do Okavango Zambeze (KAZA), foram apreendidos nesta quinta-feira pela polícia.

  • 14/08/2020 10:02:42

    "Grande Sombra" prevê aumento de 50% da produção

    Malanje - A Fazenda "Grande Sombra" no munícipio do Mucari prevê colher 57 toneladas de milho, feijão, hortícolas e frutas, serão colhidas na segunda safra de 2020 (a partir de Dezembro), um aumento de 50 por cento em relação à safra de 2019, segundo o seu gerente comercial, Armando Ferreira.

  • 13/08/2020 10:28:09

    Empresa Jardins da Yoba já beneficia do "Alívio Económico"

    Lubango - A empresa "Jardins da Yoba" já recebeu os 60 milhões de kwanzas do programa de alívio económico, uma iniciativa do Governo angolano que visa acudir micro, pequena e médias empresas com dificuldades resultantes dos condicionalismos causadas pela propagação do novo Coronavírus.