Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Agosto de 2020 | 11h41 - Actualizado em 22 Agosto de 2020 | 11h41

Energia de Laúca estimula indústria transformadora

Caluquembe - O projecto de interligação eléctrica entre o centro e sul do país, passando pelo município de Caluquembe, através do Huambo, vai estimular a implantação da indústria transformadora na região, que absorverá a produção agrícola, considerou hoje o administrador da circunscrição, José Nataniel.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huíla: Linhas de transporte de energia eléctrica

Foto: Morais Silva

O projecto de interligação eléctrica entre o centro e sul do país, com energia proveniente de Laúca, na fronteira entre Malanje e Cuanza Norte, vai elevar a capacidade instalada na província da Huíla, de 68 para mais 200 Megawatts, através da construção de linha de transporte de electricidade de 400 KV, a partir da subestação de Belém (Huambo).

A iniciativa orçada em mais de 543 milhões de dólares, financiado pelo Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), numa primeira fase vai ligar o Huambo e Huíla, passando pelos municípios de Caála, Caconda, Caluquembe, Cacula e Lubango.

O administrador, que falava durante a apresentação do projecto, afirmou que a energia é um bem indispensável para o desenvolvimento de uma sociedade, sendo que na agricultura precisam implementar a indústria transformadora para que os produtos do campo não se estraguem nos locais.

Acrescentou que o município tem infra-estruturas sociais de educação e saúde, entre outras que para funcionarem em pleno precisam de energia, o que não acontece no momento.

“Temos hoje uma situação de gastos com máquinas e lubrificantes para poder garantir a energia mínima ao nível do município. O projecto nos agrada. Desde a independência nunca tivemos energia proveniente de uma barragem”, considerou.

Por sua vez, a coordenadora do projecto, Francisca Pereira, realçou que as obras terão início  no segundo semestre de 2021.

“O projecto tem um prazo de duração de 18 meses e contamos até 2023 ter o activo completo, com a luz de Laúca finalmente na região sul do país”, disse.

Referiu que posteriormente, com a expansão do sistema a 400 KV, o projecto vai permitir fazer uma interligação com a Namíbia.

A província da Huíla conta actualmente com uma disponibilidade de 68 MW para o fornecimento de energia eléctrica, aos mais de  79 mil e 600 clientes,   26 mil e 699  dos quais possuem contadores, nos municípios do Lubango, Matala, Quipungo, Humpata e Chibia, mas a sua real necessidade é de 340 MW.

A problemática da produção de energia eléctrica na Huíla é antiga, data de há mais de 20 anos, sendo que a principal fonte é a barragem da Matala com capacidade de 39 megawatts, mas que produz somente 26 devido ao assoreamento da albufeira.

Existe igualmente a central térmica da Arimba (Lubango) e a do Chitoto, no Namibe, província que também recebe energia da Huíla e vice-versa. A eneregia dessas infra-estruturas fornece apenas quatro municípios: Lubango, Chibia, Matala e Humpata.

Leia também
  • 24/08/2020 12:04:36

    Bigiyeto prevê duplicar produção de tilápia

    Lubango - Seis mil quilogramas de peixe da espécie tilápia (cacuso), mais três mil que a actual produção, começam a ser colhidas, a partir de 2021, pela empresa Bigiyeto, na comuna da Huíla (Lubango), a 22 quilómetros da cidade do Lubango, anunciou hoje o proprietário, Carlos Alberto.

  • 23/08/2020 12:58:47

    Fazenda Cassete prevê colher 24 mil toneladas de ananás

    Saurimo - A fazenda Cassete, localizada a 45 quilómetros da cidade de Saurimo (Lunda Sul), prevê colher, na presente campanha agrícola 2019/2020, 24 mil toneladas de ananás, contra as oito mil em igual período anterior.

  • 22/08/2020 12:22:28

    RE/MAX aposta no mercado imobiliário angolano

    Luanda - A imobiliária internacional RE/MAX, presente em Angola há seis meses, pretende contribuir na profissionalização e credibilização da actividade de mediação imobiliária no país, aplicando em cada transacção processos rigorosos, transparentes e fiáveis, para garantir a confiança nos seus negócios, afirmou hoje (sábado) o presidente Mahomed Ibrahim.