Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

13 Setembro de 2020 | 18h08 - Actualizado em 14 Setembro de 2020 | 12h20

Pescado do "Olutorsky" vai a venda segunda-feira

Menongue - Vinte e nove toneladas de peixe carapau, das mil e 200 apreendidas, em Agosto último, no navio ucraniano "Olutorsky", na província de Benguela, começam por ser vendidas nesta segunda-feira, em Menongue, capital do Cuando Cubango.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Peixe apreendido em Benguela, em Agosto

Foto: Carlos Benedito

Navio Olotursky apreendido pelas autoridades angolanas com toneladas de peixe

Foto: Carlos Benedito

As 29 toneladas correspondentes a 900 caixas de peixe vão ser vendidas, cada unidade de 30 quilos, a 15 mil kwanzas.

O peixe chegou hoje, domingo, à cidade de Menongue e está a ser descarregado para as câmaras, uma actividade que está a ser acompanhada pelos técnicos do Gabinete Provincial do Desenvolvimento Económico Integrado e pelo efectivo do Serviço de Investigação Criminal (SIC).

O director do Gabinete Provincial do Desenvolvimento Económico Integrado, Roberto Biwango, disse à imprensa que, das 30 toneladas previstas para a província do Cuando Cubango, três serão destinadas ao gabinete local da Acção Social, Família e Igualdade do Género, para a assistência aos centros sociais que albergam pessoas vulneráveis.

Quanto ao processo de venda, disse que o processo será fiscalizado por técnicos do gabinete, de acordo com as orientações definidas pelo Ministério da Agricultura e Pescas, tendo em conta que o empresário adquiriu a caixa de 40 quilogramas ao preço de oito mil para comercializá-la.

Cada comprador, explicou o gestor, poderá adquirir apenas uma caixa de peixe para permitir abranger um número considerável de cidadãos que queiram comprar para o consumo e não para a revenda.

Para evitar a revenda do peixe, agentes do gabinete e do Serviço SIC vão fiscalizar os mercados formal e informal.

Aniceto Alberto Ferraz, responsável da empresa “Esmaldo Comércio-Geral ”, disse que a quantidade recebida é pouca e não chegará para muitos cidadãos. Por isso, afirmou, exigirão do comprador, no acto de compra, o registo do nome na fixa e a entrega da cópia do Bilhete de Identidade, no sentido de evitar que uma pessoa compre duas ou mais vezes.

Uma caixa de peixe de 30 quilos está a ser comercializada a 30 mil kwanzas, facto que irá provocar enchentes na área onde será vendido o produto - bairro Futungo, arredores da cidade de Menongue.

Por decisão do Ministério das Pescas, para a distribuição do pescado foram seleccionadas algumas províncias onde a carência de pescado se faz sentir com maior realce, principalmente aquelas encravadas no interior do país, sem saída para a costa atlântica, como são os casos das províncias do Bié, Cuando Cubango e Moxico, por exemplo.

A embarcação ucraniana com 90 tripulantes a bordo foi retida, segundo o Ministério das Pescas, por ter violado a quota de captura legalmente estabelecida.

  

Leia também
  • 13/09/2020 14:31:27

    Madeireiros com prejuízos de mais de AKz 100 mil milhões

    Menongue - Os madeireiros da província do Cuando Cubango acumularam, de 2018 até agora, prejuízos de 125 mil milhões de kwanzas, pela não transformação da madeira em toro nas áreas de exploração.

  • 12/09/2020 09:27:07

    MOSAP II: "um verdadeiro amigo" no combate à fome

    Cuito - O Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização (MOSAP), em implementação na província do Bié, desde 2011, constitui um ''amigo incansável'' no combate à pobreza e redução significativa da fome na região centro-sul do país.

  • 10/09/2020 19:05:24

    Província ensaia cultivo de arroz em grande escala

    Mbanza Kongo - Um projecto experimental, que deverá culminar com a produção de arroz em grande escala, na província do Zaire, teve início na campanha agrícola 2019/2020, com onze variedades deste grão, sete das quais adaptaram-se ao clima da região, soube hoje a Angop.