Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

05 Janeiro de 2018 | 11h55 - Actualizado em 05 Janeiro de 2018 | 14h08

ISCED Huíla com três novos cursos de mestrado

Lubango - Três novos cursos de mestrados em ensino da História de África, da Língua Portuguesa e de Ecologia e Gestão de Recursos Naturais entram em funcionamento este ano (Março), no Instituto Superior de Ciências de Educação, na província da Huíla.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Isced do Lubango

Foto: Morais Silva

Com os novos cursos eleva-se para cinco o número de opções para o mestrado no ISCED-Huíla, pois já existem o de Desenvolvimento Curricular e de Ensino das Ciências (Matemática, Física, Biologia e Química).

As inscrições iniciaram quinta-feira e terminam dia 29, sendo que estão reservadas 30 vagas para cada um dos novos cursos.

Para os cursos já existentes estão disponíveis 60 vagas para o ensino das Ciências, sendo 15 para cada uma  das áreas, e 30 para o de Desenvolvimento Curricular, perfazendo um total de 180 vagas para os mestrados no ano lectivo de 2018.

O director geral da instituição, José Luís Alexandre, explicou que professores, maioritariamente angolanos, vão ministrar os cursos com a duração de dois anos, divididos em parte curricular e a prática (mestrandos elaboram um trabalho de investigação e apresentam em prova pública).
       
O ISCED- Huíla foi criado em 1980, na altura com 25 estudantes, estando com mais de seis mil, em 14 cursos de licenciatura e com cinco de mestrado. Formou, desde então, perto de seis mil licenciados e 272 mestres, entre 447 candidatos.

A instituição dispõe ainda para o próximo ano lectivo de 840 vagas, menos 95 em relação a 2017, para 13 cursos de licenciatura, excepto para o de Língua Portuguesa por falta de professores.

Leia também