Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

02 Julho de 2018 | 16h16 - Actualizado em 02 Julho de 2018 | 16h16

Governo do Bengo reitera maior cooperação com os professores

Caxito - O Governo Provincial do Bengo reiterou hoje, segunda-feira, maior cooperação na busca de soluções dos principais problemas que afligem os professores.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Segundo o vice-governador provincial do Bengo para o sector político, social e económico, António Martins, que discursava no acto central comemorativo do 33º aniversário da Associação dos Professores Aangolanos (APA) celebra sob o signo “Professores unidos rumo por uma educação de qualidade para todos”, o governo tem consciência que o sector da educação tem enormes desafios, alguns deles estão elencados e têm merecido o tratamento adequado por partes das estruturas competentes.

Para António Martins, o governo está disponível e interessado em encontrar soluções face as preocupações que apoquentam a todos aqueles que estão filiados em organizações sociais que defendam os interesses dos professores e que têm trabalhado com as instituições do governo.

Por seu turno, o presidente da APA, Inácio Gonga, afirmou que os homens que escolheram o binómio educação e ensino como forma de vida, dedicando o seu dia-a-dia a educar e ensinar as crianças, os jovens e adultos enfrentam várias peripécias que vão desde os salários que auferem que não satisfazem as necessidades básicas.

Apelou ao governo a tudo fazer para implementar os acordos que foram assinados com todos os parceiros que funcionam na função pública no geral, e em particular com os professores, para o alcance da estabilidade social em todas as profissões.

 O professor, de acordo com Inácio Gonga, não exercerá bem a sua profissão no meio de insatisfações, porém é preciso resgatar a sua mística na arte de ensinar e educar para que desempenhe a sua actividade com sabedoria e paciência.

Manifestou a sua inquietação pela onda de reclamações que surgem um pouco por todo país, com as desactivações, deixando turmas inteiras sem aulas, numa espécie de greve silenciosa, pelo que deve-se ajudar o Ministério da Educação na luta direcionada para a correcção do que está mal e melhorar progressivamente as condições dos professores, repondo a legalidade e dando consistência ao sistema de ensino e aprendizagem no país, rumo a qualidade de ensino que se almeja.

A APA foi fundada a 2 de Julho de 1985 como objectivo de defender os interesses dos professores, apoiar o estado e enaltecer o papel dos homens do "giz e quadro", no processo de ensino e aprendizagem.

Leia também