Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

01 Setembro de 2018 | 10h28 - Actualizado em 01 Setembro de 2018 | 10h28

Benguela: Decana defende reestruturação curricular dos cursos do Isced

Benguela - A decana do Instituto Superior de Ciências de Educação (Isced) de Benguela, Maria Mendes, defendeu, sexta-feira, nesta cidade, a necessidade de se repensar na reestruturação curricular dos cursos desta instituição, para que a formação docente possa atender as necessidades educativas e incorporar práticas já definidas e referenciadas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Vista frontal do Instituto de Ciências de Educação de Benguela - ISCED

Foto: Tarcisio Vilela

Em declarações à Angop, em jeito de balanço das IX jornadas Científicas promovida pelo Isced de Benguela, que decorreram de 30 a 31 de Agosto último, disse que esta atitude vai permitir potenciar os formandos e melhorar a qualidade de intervenção institucional.

Maria Mendes apontou como exemplo, a abordagem do papel da Universidade no contexto das Organizações Autárquicas e  dos desafios colocados à instituição, que deverá se engajar de forma participativa neste processo e preparar os estudantes para configuração de conhecimentos bem estruturados sobre processos autárquicos, sendo uma questão actual no contexto angolano.

Explicou que a jornada fez reflexões profundas acerca da intervenção institucional com incidência para as práticas, enquanto agentes da educação, e abordaram as metodologias de ensino utilizadas, procedimento de avaliação nas suas dimensões institucionais e o desempenho no formato mais micro que acontece no contexto das salas de aulas.

“Temos consciência que existem alguns problemas quanto ao processo de formação que decorrem da implementação das orientações das políticas educativas”, disse, afirmando que tais reflexões revelam a necessidade da reestruturação curricular dos cursos e do melhoramento da qualidade do ensino.

Não obstante os planos bem elaborados e currículos estruturados,  referiu que muitas vezes não se aplicam de forma adequados, com rigor metodológico, técnico e didáctico, resultando, deste modo, na formação pouco consentânea que a própria sociedade apresenta.

Relativamente à qualidade do ensino no Isced, esclareceu a inexistência de estudos para aferir dados precisos, ainda que empíricos, pois, na definição de qualidade no ensino são precisas referências e padrões de comparação para se determinar o ponto de situação.

Questionada sobre perspectivas de expansão universitária para os municípios, disse não existir qualquer orientação nesse sentido, uma vez que a criação de algumas filiais da instituição do ensino superior noutras zonas territoriais é incumbência e competência do ministério de tutela.

A responsável apontou também o estado de degradação das infra-estruturas do Isced, quer da instituição/sede como das salas anexas, que requerem intervenção imediata, tendo em vista a aproximação da época chuvosa e as dificuldades de acesso no complexo da Cambamda, como preocupação da direcção.

Na mesma senda, indicou a carência de técnicos administrativos e a estagnação das carreiras, como aspectos que concorrem para desmotivação dos quadros.

Para ela, a actuação do Isced alinha-se com os pressupostos estabelecidos pelo órgão reitor, fundamentalmente nas tarefas inerentes a formação e pesquisa, dispondo para o efeito de mais de cinco mil estudantes que frequentam desde o primeiro ao 4º ano, os cursos de Psicologia, Matemática, Pedagogia, Historia, Geografia, língua Portuguesa, Francesa e Inglesa, cujas aulas são asseguradas por 200 docentes, entre colaboradores e efectivos, número considerado insuficiente.

 A cerimónia de encerramento das 9ª Jornadas Científicas  contou com a presença do secretário de Estado Para o Ensino Superior, Eugénio Alves da Silva e  o Reitor em exercício da Universidade Katiavala Buila, Ezequiel Kitembo.

Leia também
  • 03/02/2019 22:29:23

    Benguela com condições criadas para escolarizar mais de 900 mil alunos

    Lobito - Pelo menos 930 mil e 457 alunos do ensino primário e secundário deverão retornar terça-feira próxima (05) às salas de aulas em 1.276 estabelecimentos públicos, privados e comparticipados da província de Benguela, para cumprir um calendário escolar de 180 dias lectivos.

  • 01/02/2019 21:14:20

    Escola da Centralidade do Lobito pronta para receber mais de dois mil alunos

    Lobito - Com capacidade para mais de dois mil alunos, com idades entre os cinco e 13 anos, a escola primária da Centralidade do Lobito, na província de Benguela, foi inaugurada pelo governador Rui Falcão, pouco mais de um ano desde que esta zona recebeu os primeiros moradores.

  • 31/01/2019 08:46:39

    Governo de Benguela garante mais 35 escolas no ano lectivo 2019

    Lobito - Pelo menos 35 novas escolas nos subsistemas de ensino primário e secundário poderão abrir ainda neste ano lectivo, na província de Benguela, perfazendo 383 salas de aula, disse, nesta quarta-feira, no Lobito, o governador de Benguela, Rui Falcão.

  • 26/01/2019 06:48:18

    Mais de 400 novos estudantes admitidos no Magistério do Lobito

    Lobito - Quatrocentos e quarenta estudantes foram admitidos para frequência da 10ª classe no ano lectivo de 2019, pela escola de Magistério BG-2013 comandante Kwenha, do Lobito, na província de Benguela, informou a directora do estabelecimento, Laurinda Viúme.