Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

08 Setembro de 2018 | 19h12 - Actualizado em 08 Setembro de 2018 | 19h20

Angola: Académicos apreciam agenda de investigação

Luanda - Reitor, decanos, professores da primeira região académica da Universidade Agostinho Neto (UAN) reuniram-se na sexta-feira, em Luanda, para identificar prioridades e recolher contribuição científica em distintas áreas do saber, para uma futura Agenda Nacional de Prioridades de Investigação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

De acordo com a vice-reitora para os assuntos científicos, Maria Antonieta Baptista, o encontro visou produzir um projecto básico para a pesquisa que se pretende, consignado em termos de referência, atendendo as necessidades nas diversas áreas, bem como definir prioridade de investigação no país para ajudar o Ministério do Ensino Superior Ciência e Tecnologias (MESCT I), enquanto responsável do pelouro do ensino superior ciência e inovação, para traçar estratégias.

Referiu que a Agenda Nacional de Pesquisa é um instrumento orientador para promover a pesquisa nacional, de tal forma que, ao gerar conhecimento, melhorará a produtividade principalmente em áreas que garantem a segurança alimentar da população e, consequentemente, a qualidade de vida dos cidadãos.

Fez saber que os objectivos da agenda nacional de prioridades de investigação é ser o eixo articulador que orienta as actividades de pesquisa, desenvolvimento científico e tecnológico de centros de pesquisa nacional e privado, com uma visão de longo prazo, e um sentido director de curto e médio prazos.

Propõe-se ainda a promover a importância da responsabilidade social que tem a investigação científica e tecnológica, para ser relevante, e contribuir para resolver os problemas mais importantes do país.

Para si, há necessidade de se definir prioridade de investigação no país, para ajudar o MESCTI enquanto responsável do pelouro do ensino superior ciência e inovação.

Observou que, pelo facto da UAN estar só na primeira região académica, tem de estabelecer parcerias com investigadores de outras regiões académicas que já têm estado a fazer trabalhos de investigação.

Assuntos Educação  

Leia também