Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

12 Setembro de 2018 | 15h34 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 15h42

Educadores querem maior fiscalização na distribuição dos manuais

Luanda - A redução do tempo da revisão periódica dos manuais escolares de cinco para três anos previstos e a identificação de entidades fiscalizadoras para o processo foram algumas contribuições prestadas pelos técnicos de educação na proposta da Lei do Livro Escolar, que foi a discussão pública hoje, quarta-feira, no município de Talatona, em Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

livros escolares( ARQUIVO)

Foto: Anabela do Céu Fritz

O documento apresentado por técnicos do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação ( INIDE) comporta quatro capítulos e 25 artigos e  visa  garantir a disponibilidade do livro escolar durante a realização do processo do ensino e aprendizagem, promover o habito de leitura, respeito pelo mesmo e sua utilização.  

Pretende-se  definir políticas, regular a elaboração, avaliação, vigência e preservação do livro depois terem comprovado através de estudos feitos no seio das instituições de ensino a realidade do livro escolar que se resume partilhas do livro no acto das aulas, livros sem certificações, venda feita no  mercado paralelo, carência de um normativo com regras e critérios, professores sem livros de orientação metodológicas  dentre outros factores.

Os pedagogos pedem ainda que se inclua no documento artigos que incutam a responsabilização de todas as entidades que durante o processo de  distribuição não garantam o curso traçado para que o manual chegue até ao aluno, assim como dos encarregados de educação cujos educandos danifiquem ou extraviem os mesmos.

Em declarações à imprensa, o técnico do INIDE, António Matondo, disse que se trata de um programa levado a cabo pelo  ministério de  tutela e que visa  dar a conhecer o que se quer, tornando-o num documento consensual, de maneira a que reúna a visão espectativas e interesse de todos os envolvidos.

O técnico explica que manifestações ligadas a dificuldades das  famílias de obter um manual, ausência dos mesmos nas salas de aulas,  deficiências da sociedade  na conservação do livro como um património cultural levaram a que este processo.

Em Luanda, o município de Talatona  é o primeira a congregar directores pedagógicos, coordenadores de disciplinas e  editoras  para estender aos restantes município de  Angola.

Assuntos Província » Luanda  

Leia também
  • 02/11/2018 06:41:22

    Estudantes adquirem conhecimentos sobre o perigo do cancro da mama

    Icolo e Bengo - Duzentos estudantes da escola do IIº ciclo e do ensino secundário nº 6075 do Distrito urbano da Bela Vista, comuna de Bom Jesus, município de Icolo e Bengo, em Luanda, adquiriram conhecimentos em palestra sobre os perigos do cancro da mama.

  • 29/10/2018 13:12:00

    ISIA capacita jovens em empreendedorismo e gestão de empresas

    Luanda - Vinte e cinco jovens terminaram hoje, em Luanda, no Instituto de Ensino Superior de Angola (ISIA), uma formação de formadores em empreendedorismo e gestão de empresas, visando apoiar a dinamização de potenciais empresários.

  • 27/10/2018 20:42:09

    Alunos da Ingombota vencem Sábados Académicos em Luanda

    Luanda - Os alunos do distrito urbano da Ingombota venceram, neste sábado (27), a nona edição do Projecto Sábados Académicos/2018 a nível do município de Luanda.

  • 26/10/2018 14:09:11

    Icolo e Bengo realiza concurso Sábados Académicos

    Icolo e Bengo - Cinquenta alunos de cinco escolas do segundo ciclo do ensino secundário do município de Icolo e Bengo, em Luanda concorrem hoje (sexta-feira) em Catete, no nono concurso designado "Sábados Académicos -2018" promovido pela JMPLA, força juvenil do MPLA.