Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

11 Setembro de 2018 | 16h31 - Actualizado em 11 Setembro de 2018 | 16h31

Pesquisador advoga regulamentação dos trabalhos científicos

Benguela - A necessidade de regulamentação das regras de concepção e apresentação dos trabalhos científicos nas universidades, para maior credibilidade dos estudos desenvolvidos em Angola, foi defendida, hoje, terça-feira, pelo director do Centro de Ajuda Académica, Deodato Francisco.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Deodato Francisco - Director do Centro de Ajuda Académica

Foto: Rosário Miranda

Em declarações à Angop, na cidade de Benguela, à margem de um curso de Metodologia de Investigação Científica e Pesquisa Aplicada, o director disse que Ministério do Ensino Superior, as universidades, docentes e estudantes, devem definir as regras dos trabalhos científicos para se assegurarem a qualidade destes estudos.

Para o responsável, essas normas devem estabelecer a metodologia, técnicas e os critérios para se validar um estudo.

Deodato Francisco referiu que a pesquisa científica visa resolver problemas sociais e académicos.

Para tal, acrescentou, há que se ter um plano de investigação muito bem delineado.

Os trabalhos científicos, ressaltou, devem ser escritos de forma simples e clara, para que a informação possa ser entendida facilmente.

Segundo Deodato Francisco, as instituições do ensino superior precisam de maior rigor na selecção dos doentes que leccionam a disciplina da Metodologia de Investigação Científica, bem como de melhor critério de escolha e validação dos trabalhos académicos dos estudantes.

Aconselhou aos professores a administrarem mais aulas práticas do que teóricas, no sentido tornar os estudantes mais capazes para os desafios de desenvolvimento do país.

Já aos discentes, sugeriu um melhor desempenho e pesquisa criteriosa de conteúdos que contribuem para elaboração dos seus trabalhos.

A finalidade do trabalho académico, salientou, é contribuir para que a investigação científica possa corresponder aos anseios da sociedade.

“Os Estados Unidos da América (EUA), Brasil e Portugal regulamentaram as normas dos trabalhos científicos, o que não acontece em Angola. Enquanto essa situação prevalecer, vamos continuar a trabalhar com muita insegurança, porque cada universidade usa a sua metodologia e isso não está a ajudar a comunidade académica nacional”, asseverou.

Esta formação, com duração de cinco dias, é uma iniciativa do Centro de Ajuda Académica que visa capacitar tutores, docentes e estudantes universitários para concepção e apresentação de trabalhos científicos, pré-projectos, monografias, dissertações e teses.       

O Centro realiza, nas províncias de Luanda, Benguela e Huíla, formações ligadas à metodologia de investigação científica e pesquisa aplicada.

O Centro de Ajuda Académica foi constituído à luz do Direito Angolano e publicado na IIIª Série do Diário da República n.º 37 de 25 de Fevereiro de 2015.  

Leia também
  • 06/02/2019 11:41:10

    Exaltada mudança de mentalidade dos encarregados de educação

    Benguela - Responsáveis de alguns estabelecimentos escolares da cidade de Benguela consideraram hoje, quarta-feira, haver uma mudança positiva de mentalidade dos encarregados de educação, pois, a adesão de estudantes registada nos dois primeiros dias de aulas do ano lectivo 2019, superou as expectativas.

  • 06/02/2019 11:00:42

    Universidade Katyavala Bwila abre curso de mestrado em ensino primário

    Benguela - Um curso de mestrado em ensino primário é a grande aposta da Universidade Katyavala Bwila, em Benguela, para o ano académico 2019, visando a formação de professores que possam contribuir na melhoria da qualidade do ensino a esse nível.

  • 03/02/2019 22:29:23

    Benguela com condições criadas para escolarizar mais de 900 mil alunos

    Lobito - Pelo menos 930 mil e 457 alunos do ensino primário e secundário deverão retornar terça-feira próxima (05) às salas de aulas em 1.276 estabelecimentos públicos, privados e comparticipados da província de Benguela, para cumprir um calendário escolar de 180 dias lectivos.

  • 01/02/2019 21:14:20

    Escola da Centralidade do Lobito pronta para receber mais de dois mil alunos

    Lobito - Com capacidade para mais de dois mil alunos, com idades entre os cinco e 13 anos, a escola primária da Centralidade do Lobito, na província de Benguela, foi inaugurada pelo governador Rui Falcão, pouco mais de um ano desde que esta zona recebeu os primeiros moradores.