Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Institucional

11 Setembro de 2018 | 17h25 - Actualizado em 11 Setembro de 2018 | 17h25

ADRA reconhece abertura na comunicação social

Luanda - A Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA) reconhece a abertura dos órgãos de comunicação social públicos, evidenciada pela divulgação de factos que retratam à realidade objectiva do país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O reconhecimento vem expresso no comunicado do Conselho Directivo da ADRA que analisou, entre outros aspectos, o actual contexto de Angola e o funcionamento dos órgãos internos da agremiação.

No comunicado, chegado nessa terça-feira à Angop, a associação recomenda o aumento e produção de conteúdos noticiosos sobre a situação no interior do país, relatando não só as carências das comunidades locais, mas também as suas experiências e vivências de luta por melhores condições de vida.

Por outro lado, a ADRA considera que Angola vive um ambiente de expectativa face ao estilo de governação do novo Presidente da República, João Lourenço, marcada pela bandeira do combate à corrupção e à impunidade.

Nota que as reivindicações conduzidas pelas organizações sindicais, que reflectem a contínua degradação das condições sociais dos trabalhadores, resultam da abertura democrática que o país está a viver, ao contrário das reclamações dos anos anteriores, centradas em exigências de natureza política.

Valoriza a consulta pública sobre o Pacote Legislativo Autárquico levado a cabo nos últimos meses pelo Ministério da Administração do Território e Reforma do Estado.

Realça o Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 2018-2022, pelas metas ambiciosas que o mesmo apresenta.

Fundada há 28 anos, a ADRA é uma organização que pugna pelo desenvolvimento rural democrático e sustentável e social e ambientalmente justo.

Pugna ainda pela reconciliação nacional e pela paz em Angola.

Leia também