Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

21 Janeiro de 2003 | 15h57

-

Lisboa

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Lisboa, 21/01 - O novo bispo auxiliar de Lisboa, D. Manuel da Rocha Felício, que é apresentado quarta-feira aos fiéis numa cerimónia litúrgica, vai acompanhar as vigararias da zona Oeste da diocese e ficará responsável pela área da evangelização.

O prelado foi nomeado Bispo Auxiliar do Patriarcado de Lisboa a 21 de Outubro de ano passado pelo Papa João Paulo II, e depois ordenado bispo, juntando-se aos bispos auxiliares D. José Alves, D.Manuel Clemente, e D. Tomaz da Silva Nunes.

Em declarações a imprensa pouco antes da sua ordenação, o novo bispo tinha explicado que o "reforço" dos bispos no Patriarcado de Lisboa estava relacionado com a necessidade de D. Tomaz da Silva Nunes passar a dedicar-se quase a tempo inteiro ao cargo de secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), na sequência da sua reeleição, em Abril de 2002.

Na quarta-feira, D. Manuel da Rocha Felício será apresentado aos fiéis e clero da diocese de Lisboa, numa cerimónia que terá lugar na Sé Patriarcal às 19:00, marcando o início do seu trabalho como bispo auxiliar do Patriarcado.

Aos 55 anos de idade, D. Manuel deixa a diocese de Viseu, onde foi seminarista, professor e membro do presbitério. A nomeação foi uma surpresa" que não esperava.

Não vê esta passagem para o Patriarcado como uma "promoção" nacarreira eclesiástica, mas antes como "uma nova etapa do serviço", para a qual terá de reorganizar a sua vida e assumir novas responsabilidades.

A nível territorial, D. Manuel da Rocha Felício terá a seu cargo as vigararias do Oeste da diocese, que incluem Alcobaça-Nazaré, Cadaval-Bombarral, Caldas das Rainha-bidos, Lourinhã-Peniche, Mafra e Torres Vedras.

Na área da acção pastoral, irá acompanhar os departamentos do sector "Evangelização e Comunidade", e nos movimentos laicais a Acção Católica Rural, a Acção Católica Meios Independentes, as Equipas Jovens de Nossa Senhora, a Juventude Operária Católica, a Juventude Agrária Rural Católica, o Movimento de Trabalhadores Cristãos, Movimento Católico de Estudantes, o Movimento de Educadores Católicos e o Movimento Encontros Jovens Shalom.

Nascido em Mamouros, concelho de Castro Daire, a 06 de Novembro de 1947, D. Manuel da Rocha Felício estudou nos seminários diocesanos de Viseu, entre 1960 e 1968.

Ordenado presbítero na diocese de Viseu, em 1973, licenciou-se dois anos depois em Teologia, na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, tendo apresentado a tese "A Infalibilidade da Igreja "in credendo" na "Lumen Gentium".

Doutorou-se em Teologia, em 2000 pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (UCP), onde apresentou a tese "Portugal e a Definição Dogmática da Infalibilidade Pontifícia: Teologia, Magistério, Debate Público".

Foi coordenador do processo da extensão em Viseu do Instituto Universitário de Ciências Religiosas, sediado em Lisboa, e responsável do processo de filiação do Seminário Maior de Viseu na Faculdade de Teologia de Lisboa da UCP, entre 1992 e 1995, e dois anos depois tornou-se director do Instituto Superior de Teologia das dioceses da Guarda, Lamego e Viseu, que assumiu até 2001.

Secretário da Comissão Episcopal da Doutrina da Fé desde 1990, foi vice-reitor do Seminário Maior de Viseu até 2001 e professor no pólo de Viseu da UCP e também professor auxiliar da Faculdade de Letras desta mesma universidade, onde é membro efectivo do Conselho Científico.

Entre os trabalhos já publicados, contam-se "Ecumenismo. In Historia Religiosa de Portugal: Dicionário Temático" (Círculo de Leitores, 2000), "Universidade Católica Portuguesa - Projecto com Identidade. Para uma leitura crítica dos seus estatutos" (1998), "Diálogo Ecuménico em Portugal. Elementos para a sua história" (1997), e "Para um Modelo Cristão de Desenvolvimento" (1992).