Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Abril de 2007 | 15h18

China: Visita do MBA Universidade Católica para quebrar "barreira psicológica"

Pequim

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pequim, 16/04 - Alunos e professores do Mestrado de Gestão (MBA) da Universidade Católica Portuguesa iniciaram hoje uma visita à China para identificar oportunidades de negócio e "tentar quebrar o receio" empresarial português em relação ao país, disse a empresa organizadora da viagem.

O grupo, de 63 pessoas, passará 10 dias na China com o objectivo de conhecer o mercado local e ter um contacto directo com diversas empresas que operam no país.

"Esperamos encorajar os participantes portugueses [na viagem] a estabelecer negócios na China, mostrando que este não é um país impossível", disse Brigite Lúcio da Edeluc, consultora portuguesa para o mercado chinês e responsável pelo conteúdo e logística da viagem, em declarações à agência Lusa, em Pequim.

A visita, que pretende também ser uma oportunidade para troca de experiências no ambiente de negócios chinês, terá uma forte componente comercial, estando previstos encontros com políticos, empresários e empresas locais e ainda contactos com companhias estrangeiras a operar na China, adiantou.

Este será o primeiro contacto com a China para a maioria dos alunos do MBA da Universidade Católica Portuguesa que participam na visita e que estão ligados a diversas áreas empresariais como telecomunicações, seguros, arquitectura, importação e exportação, advocacia, consultoria ou farmacêutica, de acordo com a Edeluc.

"Falta espírito aventureiro às empresas portuguesas", considerou Brigite Lúcio, para quem a capacidade de investimento não é um entrave à entrada das empresas nacionais no mercado chinês.

De acordo com a responsável, "em Portugal há ainda o medo do desconhecido, já que a informação sobre a China é pouca e distorcida".

"O principal obstáculo à entrada das empresas portuguesas na China é psicológico, mais do que geográfico", afirmou Brigite Lúcio, apesar de reconhecer as dificuldades associadas à e às particularidades culturais do país.

A aposta deve ser em nichos de mercado e em subsectores relacionados com a área de negócio, porque a dificuldade está em encontrar mercado e não na dimensão do país, defendeu.

O programa da viagem inclui, para além de uma visita a Pequim, contactos em Xangai, o centro econômico e financeiro do país, Hefei, na província oriental de Anhui e Qingdao, e Weifang, na província de Shandong, também no leste do país.

A Edeluc, criada em 2005, é uma empresa especializada na área de investimentos e negócios entre empresas européias e chinesas.

A companhia portuguesa possui uma concessão de 38 hectares na Zona de Processamento de Exportações de Weifang, onde beneficia de incentivos fiscais para empresas com vocação exportadora que pretendam internacionalizar-se.