Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Março de 2011 | 11h41 - Actualizado em 14 Março de 2011 | 11h41

Terceiro reactor apresenta problemas de refrigeração

Japão

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Tóquio - Um terceiro reactor da central nuclear de Fukushima (nordeste do Japão) apresenta problemas com o seu sistema de refrigeração, depois que desde sábado aconteceram duas explosões por causa da acumulação de hidrogénio.

As funções de refrigeração do reactor número 2 da central de Daiichi, em Fukushima, pararam por causa dos problemas provocados pelo terramoto de 9 graus na escala Richter que na sexta-feira sacudiu o Japão, segundo o Executivo.

O porta-voz do Governo, Yukio Edano, afirmou que os responsáveis pela unidade têm tudo preparado para injectar água do mar no reactor, a fim de tentar controlar a sua temperatura.

A companhia operadora da central, a Tokyo Electric Power (TEPCO), detalhou que foi detectada uma queda do nível de água desse reactor, embora tenha relatado que não deixou descobertas as suas barras de combustível.

Os problemas no reactor número 2 da central aconteceram pouco após uma explosão por acumulação de hidrogénio no recipiente secundário de contenção do reator número 3, que também sofria problemas de refrigeração.

Essa explosão foi similar à ocorrida no sábado no reactor número 1 dessa unidade e, igual a essa ocasião, não causou danos no seu recipiente primário nem vazamento maciço de radiação, segundo o Governo.

O ministro Edano assegurou que as autoridades farão todo o possível para impedir que o recipiente secundário de contenção do reactor número 2 sofra por sua vez uma explosão.

O forte terramoto da sexta-feira e o tsunami que o seguiu paralisaram a actividade de 11 centrais nucleares nas áreas afectadas, das quais quatro têm problemas com a refrigeração dos seus reactores.