Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

04 Agosto de 2012 | 21h34 - Actualizado em 04 Agosto de 2012 | 21h34

Juiz confirma prisão de suspeito de terrorismo e espera provas sobre outros dois

Espanha

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Madrid - Um dos três homens detidos quarta-feira em Espanha, por suspeitas de ligações à Al-Qaeda, foi enviado para a prisão pelo juiz. Os outros dois permanecem sob detenção, à espera dos resultados de uma investigação mais aprofundada.


O suspeito que viu a prisão confirmada, na sexta-feira, é um turco acusado de apoio logístico à organização. A acusação de que pertence a um grupo terrorista foi, no entanto, rejeitada pelo magistrado.


A decisão sobre os outros suspeitos foi adiada para domingo. O juiz, se referiu também a ambos como “membros da Al-Qaeda”, e “pessoas extremamente perigosas”, prolongou a detenção provisória por 48 horas para aguardar o resultado de novas diligências da polícia.


Segundo o jornal "El País", o magistrado concluiu que, até ao momento, não existiam provas suficientes para os enviar para a prisão.


A decisão, de acordo com o jornal, assentará na dificuldade em traduzir em provas concretas as informações de serviços secretos em
que a polícia baseia as acusações. As detenções serão fundamentadas em documentos fornecidos pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, que presumivelmente associam um deles ao grupo armado paquistanês Tarik e Taliban e com um cidadão iraniano detido em Guantánamo.


Os suspeitos que aguardam a decisão judicial foram detidos quando viajavam de camioneta, na província de Ciudad Real, a sul de Madrid.


O terceiro, apresentado como especialista de logística da organização, foi detido em La Línea de la Concepcion, perto de Gibraltar. Este último, engenheiro de uma empresa internacional e residente em Gibraltar há sete anos, com autorização de residência britânica, rejeita as acusações.


O suspeito turco é acusado de “posse de substâncias explosivas com objectivo terrorista”, segundo fonte judicial. O juiz não acompanhou o Ministério Público no pedido de acusação por “pertença a uma organização terrorista”.