Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Fevereiro de 2013 | 07h45 - Actualizado em 17 Fevereiro de 2013 | 07h45

Exorcista do Vaticano agradece a Bento XVI por seu apoio

Vaticano

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Cidade do Vaticano - O exorcista oficial da Igreja católica, o sacerdote italiano Gabriel Amorth, agradeceu a Bento XVI por seu apoio durante os oito anos de seu papado, que terminará no dia 28 de Fevereiro, depois que o pontífice decidiu renunciar por "falta de forças".

"Bento recebeu em audiência os exorcistas de todo o mundo e nos recebeu com palavras de grande apoio", explicou Armoth, um veterano exorcista da diocese de Roma com 27 anos de experiência, em uma entrevista à rede de televisão católica italiana TV2000 divulgada na sexta-feira.

"Sempre nos deu o seu apoio. O Papa fez muito para revisar os procedimentos (do exorcismo). E nos deu orações muito potentes que servem para exorcizar", acrescentou.

Durante a sua actuação como cardeal, Joseph Ratzinger também contribuiu para reformar o catecismo da Igreja Católica e "ampliar a luta contra Satanás, não apenas nos casos de possessão demoníaca de pessoas, mas também nos de transtornos provocados pelo demónio, que representam 90% dos casos", explicou Amorth.

Segundo o sacerdote, os casos de possessão total são muito raros, embora ele mesmo afirme ter visto pessoas "a andar pelas paredes e se arrastar pelo chão como serpentes".

"As pessoas vão procurar feiticeiros, adivinhos que se classificam como exorcistas. Mas isto é um problema, porque quando alguém precisa de um exorcismo não há muita gente capaz de fazê-lo e muitos não estão bem preparados", afirmou Amorth.

Bento XVI anunciou na última segunda-feira sua renúncia, que se tornará efectiva no dia 28 de Fevereiro, uma decisão sem precedentes na história moderna da Igreja Católica.