Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

25 Fevereiro de 2013 | 20h14 - Actualizado em 25 Fevereiro de 2013 | 20h14

País denuncia presença de armamento nuclear nas Malvinas perante a ONU

Argentina

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Genebra - A Argentina acusou nesta segunda-feira o Reino Unido de transportar, em submarinos, armamento nuclear às Ilhas Malvinas e violar, assim, os tratados internacionais que estabelecem que esta zona deveria estar desnuclearizada.

"Nos encontramos numa etapa precária de implementação do tratado de Tlatelolco, que proíbe completamente o armamento nuclear na América Latina e no Caribe. Esta precária implementação é desafiada pelo Reino Unido", manifestou o secretário de Relações Exteriores da Argentina perante a Conferência de Desarmamento da ONU, Eduardo Zuain.

Além disso, Zuain responsabilizou o Reino Unido de uma injustificada e desproporcional presença militar no Atlântico Sul, "que inclui deslocamentos de submarinos com capacidade de levar armamento nucleares na zona desnuclearizada".

O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares na América Latina e no Caribe - conhecido como Tratado de Tlatelolco - é um acordo
internacional que estabelece a desnuclearização do território da América Latina e do Caribe e que entrou em vigência em 25 de Abril de 1969.

"A República da Argentina está especialmente preocupada pela possibilidade, confirmada pela primeira vez pelo Governo britânico em 2003, que este estado estivesse a introduzir armamento nuclear no Atlântico Sul", assinalou Zuain, acrescentando que o Governo argentino lamenta profundamente que o Reino Unido tenha ignorado as denúncias formuladas sobre esta situação.

Além disso, Zuain criticou o facto de que as Malvinas esteja entre os territórios mais militarizados do mundo, com mais de 1.500 soldados britânicos e uma população civil de 3 mil.

"Tal desdobramento inclui a presença de um poderoso grupo naval, aviões de combate de última geração, um importante centro de
comando e controlo, e uma base de inteligência electrónica que permite "monitorar" o tráfego aéreo e naval da região", acrescentou.

Zuain disse que a grande presença britânica em áreas disputadas do Atlântico Sul preocupa não somente a Argentina, "mas também os países da região e fora dela, como demonstram pronunciamentos da Cúpula Ibero-Americana, a União de Nações Americanas (Unasul), o Mercosul, o Grupo Rio e a Cúpula de Países da América do Sul e Países Árabes (ASPA)".

A Argentina pediu à Conferência de Desarmamento, que começou nesta segunda-feira em Genebra uma nova sessão e que se
prolongará até o próximo dia 1 de Março, que supere a estagnação à qual está submetida há 15 anos para que possam avançar em
diferentes temas, entre eles, o reivindicado por Buenos Aires.